Quais são as vantagens do empréstimo empresarial?

O sonho de todo empreendedor é ver seu negócio crescer e um dos meios para esse sonho se tornar realidade é fazendo um empréstimo empresarial.

Do mesmo modo que funciona um empréstimo pessoal, a diferença para o empresarial é que existem linhas de crédito específicas, que consideram o segmento de atuação da empresa ou a finalidade de uso do valor emprestado.

Ou seja, o processo é personalizado e serve para custear investimentos (como compra de uma máquina nova) ou para o pagamento de contas (quando a empresa não possui o dinheiro necessário em caixa).

Entretanto, muitos empresários têm receio de pegar um empréstimo empresarial, por isso separamos para você algumas vantagens de se contratar esse tipo de crédito.

1 – Poder investir ou pagar dívidas

Pegar dinheiro emprestado pode ser o “empurrão” que sua empresa precisa. Mas tudo deve ser feito com muita cautela e planejamento. Pois, todo mês, você deverá pagar uma parcela para a instituição financeira escolhida. 

Ou seja, você precisa ter um planejamento financeiro rígido para o empréstimo não virar de um sonho bom para pesadelo.

Outra opção para se pegar um empréstimo é para pagar dívidas. Sim, se sua empresa está passando por maus bocados, às vezes é a hora de quitar essas dívidas e planejar o pagamento das parcelas do empréstimo para, assim, fazer sua empresa crescer.

2 – Linhas de créditos específicas

Por estarmos falando de empresas, nada mais certo que ter linhas de créditos específicas para cada setor, não é mesmo?! Desse modo, as instituições financeiras e bancos conseguem oferecer um atendimento personalizado com juros e condições mais atraentes de acordo com o setor de atuação no mercado.

Por isso, pesquise bastante e obtenha a melhor linha de crédito para o seu negócio.

Faça uma avaliação de crédito para sua empresa com a gente!

3 – Juros mais baixos

Isso mesmo! Para empresas, na maioria das vezes, os juros são mais baixos! O que é uma boa notícia para você, empreendedor.

Pesquise bastante, converse com seu contador e feche um negócio atrativo e dentro do seu orçamento.

4 – Programas do Governo

O Governo Federal disponibiliza vários programas de auxílio financeiro para as empresas. Depende muito de faturamento, porte, situação regularizada e área de atuação.

O bom disso tudo é que esses programas costumam ter condições muito boas e juros baixos. Além de serem mais fácil de aquisição.

Por isso, procure saber se no seu estado tem algum programa, veja se sua empresa entra nos pré requisitos e invista no seu negócio.

Viu que não precisa ter receio de fazer um empréstimo empresarial para sua empresa? É, claro que precisa de planejamento e pesquisa, mas todo o processo compensa por causa das vantagens para o seu negócio.

Aqui no ISF, nós temos várias linhas de créditos para empresas! Clique aqui, conheça nosso trabalho e faça uma simulação!

5 erros que você não deve cometer ao abrir sua empresa

Abrir uma empresa requer conhecimentos prévios de mercado e seguir todos os passos e processos de abertura obrigatórios da cidade e estado escolhidos.

E, além disso, tem alguns macetes que empreendedores de primeira viagem muitas das vezes não sabem e acabam cometendo erros que prejudicam a saúde e o futuro do negócio.

Por isso, para te ajudar nessa jornada, separamos 5 erros que você não deve cometer ao abrir sua empresa. Preparado?

1 – Falta de planejamento

O principal erro que todo empresário não pode cometer é a falta de planejamento. E não é só planejamento financeiro, é planejamento geral de mercado.

Quem é meu público alvo? O que eu farei para atingi-lo? Como serão as vendas? O marketing, quem vai cuidar? Ou seja, esse planejamento deve englobar praticamente todos os aspectos da empresa.

E, claro, não poderíamos deixar de falar do planejamento financeiro empresarial, que é fundamental para uma empresa. Pois é ele que vai definir o valor de crédito necessário: os gastos iniciais e mensais, os custos com pessoal e fornecedores e a margem de lucro esperada. 

Feito tudo isso, vá adaptando seu planejamento à realidade da sua empresa, que tudo dá certo no final.

2 – Crédito com taxas de juros muito altas

Não precisa ser um expert em finanças para saber que é quase impossível abrir uma empresa sem crédito, não é mesmo? Pois é com esse dinheiro emprestado que você vai conseguir fazer os investimentos iniciais, comprar os primeiros insumos e ter um fluxo de caixa antes do negócio gerar lucros reais. 

Mas, o que não pode acontecer é pegar um crédito com taxas de juros muito altas. Por isso é necessário pesquisar bastante, falar com as instituições financeiras e consultar seu contador para não cair em cilada. 

Portanto, é preciso ter cuidado! Taxas de juros muito altas e parcelas muito caras podem se tornar bolas de neve impossíveis de pagar no futuro, mesmo que a sua empresa tenha sucesso.

3 – Perder o controle do capital de giro

Se você já abriu uma empresa e está começando, lembre-se que um dos maiores vilões que levam pequenas e médias empresas à falência é a falta do capital de giro.

O capital de giro é o ativo circulante utilizado para pagar contas mensais que fazem seu negócio funcionar como: luz, água, telefone, salário dos colaboradores, impostos, compra de matérias primas e outros. Ou seja, é esta quantia de dinheiro em caixa que movimenta todas as demandas básicas de uma empresa.

E, se você não tem essa reserva é difícil evitar crises e visualizar um futuro para o seu negócio. 

4 – Perder o foco do fluxo de caixa

Outro ponto que precisa de uma atenção especial é o fluxo de caixa da sua empresa, pois é através dele que você consegue saber quanto de dinheiro entra e sai do total de transações.

Assim, conhecendo bem seu fluxo de caixa é possível saber onde é o ponto de equilíbrio da empresa e como melhor administrar as suas contas a pagar e a receber, cobrando clientes que estejam devendo e pedindo mais prazo ou condições favoráveis para fornecedores.

5 – Exagerar no estoque 

Muitas pessoas acham que o estoque de produtos é um custo, mas ele está mais para um investimento. Porque, naquele estoque, você investiu dinheiro da empresa que foi convertido em mercadorias.

Ou seja, se você exagerar no estoque, o dinheiro investido pode ficar parado, sendo que você poderia investir em outro setor que necessita mais.

Por isso é importante saber qual a demanda do seu mercado, sem ser pessimista demais ou otimista em excesso, assim fica mais fácil ter uma noção do quanto investir em estoque.

Agora que você já sabe como abrir uma empresa e quais erros não cometer, tire seus planos do papel e realize seu sonho, empreendedor.

Está precisando de uma ajudinha com o capital de giro? O ISF pode te ajudar! Clique aqui e saiba mais!

Como controlar o capital de giro na crise?

Neste momento de pandemia que estamos vivendo, controlar o capital de giro é necessário para a sobrevivência e futuro do seu negócio.

Ou seja, ter recursos em caixa, funcionam como uma reserva para cobrir despesas da empresa durante o período de redução no faturamento e instabilidade econômica. 

Por isso, é essencial controlar o capital de giro, enfrentar a crise de frente e sair dela mais forte.

Mas como fazer isso? Abaixo separamos algumas dicas para sua empresa!

Boa leitura!

1 – Importância do capital de giro

O capital de giro é aquele dinheiro que faz a empresa girar, quase literalmente. Por isso, trata-se de valores que são usados no curto prazo e são essenciais para a manutenção das atividades do negócio.

Ou seja, é o dinheiro que paga contas, funcionários, aluguel e afins. Por isso, é importante, em momentos de crise, dar uma atenção ao capital de giro para não se endividar e até mesmo, sobreviver.

2 – Faça um controle rígido do fluxo de caixa

O primeiro passo para controlar o capital de giro é manter um controle rígido do fluxo de caixa e definir valores de contas a pagar e receber nos próximos meses.

Por isso, use e abuse das planilhas e plataformas de gestão financeira, pois você precisa ter todos esses valores em mãos para conseguir fazer o controle e reduzir erros nas previsões e cálculos financeiros.

3 – Faça uma projeção financeira

A crise afeta a todos de uma maneira geral, por isso sua empresa corre o risco de ter um maior número de clientes inadimplentes. Então, a dica é fazer uma projeção financeira realista para os próximos três meses no mínimo, estimando o valor da inadimplência.

Feito isso, dá para saber quanto de capital de giro será necessário para cobrir esse valor e deixar as contas da sua empresa em dia.

4 – Reduza custos

Fazer uma revisão criteriosa dos custos do seu negócio será necessário neste momento. Até porque de nada adianta você produzir mais para aumentar o faturamento, se os consumidores não estão comprando com a mesma frequência, não é mesmo?!

Por isso, vale muito rever os custos e tentar ao máximo negociar valores e demandas, para não ficar com estoque cheio e parado.

5 – Avalie a possibilidade de obter linhas de crédito do governo

Agora, se sua empresa não tem capital de giro suficiente, é válido avaliar a possibilidade de obter linhas de créditos do governo.

Procure saber quais são essas linhas e entre em contato com as instituições para fazer uma simulação. Mas, antes de solicitar o crédito, é necessário fazer um planejamento financeiro sólido para evitar a inadimplência depois da crise e o famoso efeito bola de neve.

6 – Renegocie dívidas

E, se antes da crise, sua empresa já estava endividada, agora é a hora de renegociar essas dívidas.

Se você deve para o banco, por exemplo, entre em contato para chegar a um acordo com condições de pagamento mais vantajosas, com prazos maiores ou juros menores.

Além disso, negocie com parceiros, fornecedores e credores para facilitar os pagamentos e, dessa forma, diminuir os impactos no capital de giro.

Manter sua empresa em um momento de crise não é uma tarefa fácil, mas com planejamento e controle financeiro, no final dá tudo certo!

Quer saber mais dicas financeiras para sua empresa? Siga o ISF Crédito no Instagram!