Planejamento para 2021

O ano de 2020 foi atípico para o comércio, então pode ser que a análise do ano seja tenha sido comprometida, dependendo de seu ramo de atuação ou o impacto da pandemia em sua região. 

A primeira coisa a considerar no planejamento para 2021 é qual será o parâmetro de suas metas. Se ficou difícil ter o ano de 2020 como referência para projeções, o ideal é que você analise os últimos anos de venda para entender melhor o comportamento de seu negócio.

Em primeiro lugar, o orçamento de 2021 será diferente porque deverá privilegiar criatividade, flexibilidade, inovação e a busca por novas fontes de receita. 

 

É fundamental investir em relacionamento com o cliente e a recuperação dos clientes perdidos, fazer ajustes nos modelos de precificação a partir da análise de novos dados, realocação de gastos comerciais para fontes voltadas para o crescimento e a digitalização de novos canais de vendas.

 

Para o ano que vem é importante  trabalhar com diversos cenários possíveis

 

Entenda que o cenário ainda é instável e que em vários lugares do mundo a segunda onda da Covid-19 está causando novos lockdowns, que ainda não sabemos se irão acontecer no Brasil, mas que dependendo de qual for o seu mercado podem causar impacto nas suas operações, mesmo que as lojas aqui no país não precisem fechar.

 

Por outro lado, a vacina parece estar mais próxima de uma produção que atenda a grande parte da população em vários países e o Brasil trabalha em alguns cenários variáveis para que isso aconteça no início do próximo ano. Embora não se saiba qual o impacto total da pandemia na economia nacional, todos sabemos que a vacina irá proporcionar maior tranquilidade aos consumidores que tendem a movimentar mais o mercado.

 

Digitalize seus negócios e expanda sua presença.

 

É mais do que hora de investir em presença on-line e métodos de vendas e relacionamento 24×7 com seus clientes. Pesquise ferramentas que possam auxiliar em seu planejamento e tornar mais prático o desenho de suas estratégias comerciais. Seja próximo, invista tempo e esforços para se conectar ao seu cliente. Invista em diversidade de canais e relacionamento mais próximo.

Busque parceiros, colaboração é uma ótima alternativa para crescer em tempos de crise e identifique empresas com quem seu negócio pode se aliar para que isso possa fortalecer a todos. Gerencie bem seu contatos, vamos sempre focar em proximidade e fortalecimento de vínculos. Estude, se reinvente, busque consultorias para lidar com os novos cenários. Um mercado em transformação pode trazer muitas oportunidades;

Seja realista, infelizmente, nosso futuro com a pandemia ainda é incerto. Comece aos poucos e, se precisar, readeque os planos para que eles reflitam a realidade. 

 

Aqui vão algumas dicas de quais devem ser os passos prioritários de sua estratégia para o próximo ano:

 

  • Definição de objetivos e flexibilidade, trabalhe com diversos cenários possíveis;
  • Definição de estratégias de rápida execução;
  • Definição de táticas;
  • Operação comercial;
  • Métodos de controle e manutenção;
  • Planificação de métricas;
  • Digitalização de canais e investimento em CRM;
  • Trabalhe com métricas SMART: S (específica); M (mensurável); A(atingível); R (relevante); e T (temporal).

 

Os desafios são grandes, mas cenários de crise têm a capacidade de movimentar o mercado e as posições de seus players, então tente encontrar as oportunidades de crescimento. Não tenha medo de experimentar novos canais ou estratégias de vendas, fale com seu cliente de forma a ter feedbacks mais rápidos, velocidade com eficiência pode ser um diferencial fundamental para a retomada comercial em 2021.

 

Busque consultorias, faça um diagnóstico financeiro de sua empresa, analise a possibilidade de investimentos e conte com o ISF Crédito para que a retomada de seus negócios aconteçam com a maior eficácia e velocidade possível.

 

Fale com um de nossos consultores.

Quando devo pegar um empréstimo para pagar dívidas?

 Buscar capital fora para sair de uma dívida é uma solução sempre recomendada por economistas quando se está endividado e os débitos tiverem a incidência de juros altos. A lógica é simples. Se os juros da dívida forem maiores do que os juros do empréstimo e você ainda conseguir negociar com seu credor um desconto no pagamento, ou renegociar os juros, então, é melhor pegar um empréstimo que cobre taxas menores.

Recorrer a um empréstimo é uma solução que merece ser estudada, e claro que é importante escolher bem, para que a solução não se torne um novo problema.

 

Veja a seguir algumas dicas que vão ajudar na seleção:

– Busque uma opção de empréstimo que caiba no seu orçamento. É fundamental que ao assumir esse novo compromisso você consiga quitar o valor mensal.

– Busque um empréstimo no qual o valor seja capaz de substituir todas as suas dívidas e não apenas um ou dois débitos. É melhor buscar um valor maior e que também tenha um parcelamento maior, mas que quitará todas suas dívidas.

– Busque por um empréstimo com juros menores do que suas atuais dívidas. As taxas em uma operação financeira nunca devem ser ignoradas. Um débito de R$ 1 mil pode facilmente se transformar em um compromisso que ultrapassa R$ 20 mil em um prazo médio de dois anos. Isso devido aos juros compostos.

– Evite o cartão de crédito e contrair outros compromissos até a quitação da dívida.

– Selecione uma instituição de confiança.

Confiança e credibilidade não se constroem de uma hora para a outra. Tudo é conquistado graças a esforço e seriedade, avalizado pela satisfação de clientes e parceiros. Se fizer negócio com uma instituição financeira pouco confiável, sua empresa pode passar por imprevistos ao longo do processo — como o pagamento de taxas extras, que vão aumentar a dívida e o parcelamento mensal.

É aqui que nós do ISF entramos para lhe ajudar a encontrar as melhores soluções para você e sua empresa, empregando todo nosso esforço e conhecimento de mercado para entender sua necessidade e como lhe orientar desde sua simulação até a realização do empréstimo.

Agora você já sabe quando é recomendado buscar por um empréstimo para quitar suas dívidas.

 

Faça sua simulação e entre em contato com nossos consultores.

SWOT: Conheça bem o seu negócio e prospere

Tomar decisões no seu negócio não é fácil, mas um bom começo é pensar na sua situação atual: abrir um novo negócio ou investir no meu atual? Capital próprio ou crédito? Considerar os prós e contras, avaliar o impacto para as pessoas próximas e para o mercado, entre outros fatores. É basicamente isso que propõe a Matriz SWOT, uma ferramenta que te auxilia a entender como o seu negócio está inserido no mercado e a partir daí te ajudar a planejar ações.

Matriz SWOT ou Análise SWOT, é uma sigla em inglês formada pelas iniciais das palavras: Streights, Weaknesses, Opportunities e Threats. Ao ser traduzida para o português, a ferramenta ganhou a sigla de FOFA: Forças, Oportunidades, Fraquezas e Ameaças, que são os elementos analisados pela matriz.

Dentro da matriz, esses quatro itens são divididos em: pontos positivos (forças e oportunidades) e pontos negativos (fraquezas e ameaças), além de fatores internos da empresa (forças e fraquezas) e fatores externos (oportunidades e ameaças).

Matriz Swot
(Foto: ISF Crédito)

Assim, sua análise deve começar pelo preenchimento dos quadrinhos, sempre trabalhando com perspectivas realistas, para isso, é bom que você conte com o auxílio de outras pessoas também envolvidas no seu negócio. Então vamos supor que você está começando um negócio de confeitaria, depois de um tempo produzindo em casa. Para facilitar essa lista, transforme os quatro pontos em perguntas:

  1. Quais os pontos fortes do seu negócio? Aqui são itens internos que te dão um diferencial em relação aos seus concorrentes. Então, seguindo o exemplo, podemos considerar que você tem o know-how, uma clientela que te conhece e uma localização favorável para as vendas.
  2. Quais seus pontos fracos? Aqui também consideramos suas fraquezas internas, oportunidades de melhoria. Pode ser por exemplo: falta de capital próprio, necessidade de contratação, matéria-prima com alto custo, etc.
  3. Quais as oportunidades do seu negócio? Para responder, analise o mercado de forma realista e identifique pontos que realmente favoreçam seu negócio, no formato que ele está no presente. Assim, no exemplo da confeitaria, as oportunidades canalizadas principalmente em dois pilares: o primeiro deles é a busca por praticidade, com a rotina corrida é mais fácil encomendar os alimentos prontos do que fazê-los em casa. O segundo é a característica personalizada do trabalho, as encomendas são feitas a partir do que o cliente deseja, dentre tendências como Gourmetização dos alimentos, assim por diante.
  4. Quais ameaças seu negócio? Liste problemas enfrentados pelo seu negócio no mercado que ele está inserido, considere questões como ações da concorrência. No caso da confeitaria, a quantidade de empresas no mesmo ramo que possuem uma estrutura maior é um exemplo de ameaça. Outros fatores vão além da concorrência de setor, como o estilo de vida saudável que tem cada vez mais conquistado as pessoas e, mesmo que isso seja bom por motivos óbvios de saúde, de certa forma diminui o consumo de doces, o principal produto do negócio. Isso é válido também para buscar alternativas de eliminar algumas ameaças transformando em oportunidades.
Matriz Swot
(Foto: Banco de Imagens)

Com os pontos preenchidos, faça uma análise geral e cruze os pontos, ou seja, como minhas forças podem me ajudar a aproveitar as oportunidades do mercado? Minhas fraquezas atrapalham minhas oportunidades, o que eu posso fazer para evitar isso? Como evitar que minhas fraquezas aumentem minhas ameaças? Minhas forças podem me ajudar a diminuir minhas fraquezas?

A partir de todas essas respostas, você consegue montar um plano de ação, com estratégias para alcançar oportunidades, potencializar forças, diminuir fraquezas e evitar ameaças. Se você perceber que precisa de ajuda com os custos, o ISF também pode te auxiliar. Buscamos soluções de crédito justas e customizadas para a sua empresa, acesse nossa plataforma e faça uma simulação. Em caso de dúvidas, entre em contato por meio dos nossos canais de atendimento.

Os 3 grandes erros ao lidar com o capital de giro

Capital de giro é, basicamente, o dinheiro que circula dentro do negócio e  mantém uma empresa funcionando durante um período de tempo.

Por ser uma reserva de recursos, saber administrar o capital de giro é muito importante para a vida financeira do seu negócio. Assim, trazemos para você os 3 principais erros na hora de lidar com o capital de giro da sua empresa:

  1. Contar com dinheiro ainda não disponível: o dinheiro de contas a receber faz parte das entradas, mas ele não deve ser um elemento de grande importância nas contas para fechar o mês, já que imprevistos podem acontecer e essa quantia não entrar no caixa. Assim, não comprometa um dinheiro que ainda não tem em mãos.

    Como lidar com capital de giro
    (Foto: banco de imagens)
  2. Desequilíbrio de prazos: esse erro está ligado ao primeiro e consiste no fato de seus prazos de pagamento e de recebimento não terem um equilíbrio, ou seja, você concede um prazo maior aos seus clientes do que aquele que seus fornecedores dão a você. Assim, você não recebe, mas tem que pagar, o que causa um desequilíbrio no capital de giro. Para evitar isso, negocie os prazos.
  3. Estoque muito maior do que as vendas: manter o estoque em dia garante que sua empresa não tenha nenhum produto em falta e isso é bom. Entretanto, o problema nesse cenário é quando o volume no seu estoque é muito maior do que seu volume de vendas, isso faz com que as mercadorias fiquem paradas e, consequentemente, seu dinheiro também, além disso, quando o produto da sua empresa é perecível, o seu prejuízo pode ser grande. Assim, entenda o fluxo de vendas de sua empresa, calcule bem sua necessidade de estoque e pense antes de aproveitar o preço baixo de alguns produtos, pois, no final das contas, o barato pode sair caro.

    Capital de giro
    (Foto: banco de imagens)

Nesse contexto, alguns fatores podem te ajudar a lidar com a administração do capital de giro: o fluxo de caixa, que já falamos aqui no blog e te mostra as necessidades da sua empresa e o ISF Crédito que é seu guia financeiro e te auxilia encontrando a melhor solução de crédito para a sua empresa. Acesse nossa plataforma e faça uma simulação: www.isfcredito.com.br. Em caso de dúvidas, entre em contato com nossos canais de atendimento.

5 passos para um planejamento estratégico de sucesso

Se você já tem uma empresa ou está pensando em abrir uma, deve ter em mente que uma das principais ações para manter um negócio é o planejamento. Planejar deve ser um ato constante na realidade de um empreendedor, então trazemos 5 dicas para você fazer um planejamento estratégico para o seu negócio.

1. Conheça sua realidade: para começar a planejar o futuro, primeiro atente-se ao presente, seja o seu ou o da sua empresa, se ela já existir. Considere a conjuntura política e econômica que o país vive, um fator que embora pareça bem distante, influencia, por exemplo, no valor dos impostos que você paga.

Planejamento estratégico
(Foto: banco de imagem)

2. Estabeleça metas: depois de conhecer o presente, podemos passar para o planejamento do futuro, então, liste as metas que sua empresa deseja e consegue alcançar. Pode parecer óbvio, mas é necessário estabelecer objetivos possíveis de serem atingidos. Outros fatores importantes desse passo é estipular prazos, também cabíveis, e designar os responsáveis por essas tarefas, assim você saberá a quem questionar o andamento e a finalização do que foi proposto.

3. Defina estratégias: com as metas estabelecidas é o momento de estipular as estratégias para que elas sejam alcançadas. Assim, por exemplo, se a meta da empresa é aumentar o faturamento em 70% até dezembro, sua estratégia pode ser investir em comunicação.

Criando um planejamento estratégico
(Foto: banco de imagens)

4. Determinar ações: a última parte do planejamento no papel é estabelecer as ações que corresponderão às estratégias definidas para então alcançar os objetivos esperados. Portanto, continuando com o nosso exemplo: se a meta da empresa é aumentar o faturamento em 70% até dezembro, sua estratégia pode ser investir em comunicação e uma das ações pode ser:  Promover seus produtos nas redes sociais.

5. Prática: com todos os passos planejados é hora de colocar tudo em prática, lembrando dos prazos e das responsabilidades e acompanhando de perto o desenvolvimento de cada ação. Além disso, esteja sempre aberto à possíveis mudanças já que mesmo planejando não é possível controlar todos os acontecimentos.

Ações estratégicas para seu negócio
(Foto: banco de imagens)

Além dessas dicas, o ISF pode te ajudar como seu guia financeiro, auxiliando na melhor solução de crédito para colocar suas ações em prática. Entre em nossa plataforma e faça uma simulação. Em caso de dúvidas, entre em contato com nossos canais de atendimento.

 

O que é e como fazer um fluxo de caixa

Administrar um negócio, seja ele pequeno, grande, no começo ou já bem estabelecido, não é fácil e muitas vezes o maior problema está em lidar com as finanças. Entretanto, a solução pode ser simples: começar pela confecção de um fluxo de caixa.

Com o fluxo de caixa você organiza todos as receitas e despesas de sua empresa em uma só planilha. Sim, aquela velha, mas importante, dica de economista: anote seus gastos e controle suas finanças.

Como fazer o fluxo de caixa
(Foto: banco de imagem)

Anotar tudo pode parecer algo muito simples, mas na prática isso não é feito como deveria, e é capaz de trazer um efeito muito positivo para o seu negócio. A partir da planilha de fluxo de caixa, você consegue:

  • ter uma noção real de quanto você gasta em cada setor da sua empresa;
  • planejar os próximos meses de operação;
  • lidar com possíveis dívidas;
  • entender como está a evolução das vendas de sua empresa;
  • saber no que deve investir para crescer;
  • saber se precisa de um empréstimo;
  • identificar possibilidades de novos tipos de venda, por exemplo, promoção;

    Planilha fluxo de caixa
    (Foto: banco de imagens)

Enfim, o fluxo de caixa te dá um raio-x das finanças do seu negócio. Para fazer essa planilha existem algumas ferramentas, das mais simples até as mais complexas, mas para te ajudar a começar esse planejamento disponibilizamos um modelo de fluxo de caixa através do link abaixo:

CLIQUE AQUI PARA BAIXAR A PLANILHA GRATUITA

Quando você abrir a planilha vai perceber que seu preenchimento é bem fácil:

  1. Comece pelas entradas de dinheiro, anote os resultados das vendas, sejam à vista ou à prazo, e de outros recebimentos.
  2. Em seguida considere as saídas de dinheiro, de todas as formas que ela ocorra, desde pagamentos dos funcionários e fornecedores até contas de internet e telefone.
  3. Com os valores finais é hora de calcular o resultado de caixa, assim subtraia as saídas das entradas.
  4. Para saber qual o seu caixa final, some o resultado do item acima com a quantia que você já tinha em mãos do período anterior.

Se você perceber que o seu negócio precisa de ajuda, o ISF te auxilia como seu guia financeiro, encontrando a melhor solução de crédito para capital de giro e investimentos em sua empresa.  Acesse nossa plataforma e faça uma simulação: www.isfcredito.com.br. Em caso de dúvidas, entre em contato com nossos canais de atendimento.

As 5 dicas que você precisa para ser um empreendedor de ALTO IMPACTO

Empreender é mais do que simplesmente abrir um novo negócio. Ser empreendedor significa querer sair um pouco do padrão, procurar inovar e ir em busca de crescimento para si e as pessoas ao redor.

Empreendedor de alto impacto
(Foto: banco de imagens)

Sabemos que não é fácil ser tudo isso, mas só com um ponta pé inicial é possível fazer a transformação que um empreendedor de alto impacto produz. Então trazemos para você 5 dicas que vão te levar ao caminho do empreendimento de alto impacto:

  1. Comece com o que você conhece: dê atenção aos seus talentos, aquilo que você faz como hobbie pode virar um negócio lucrativo. Se você quer começar um negócio, comece pelo que você conhece e sabe fazer, não precisa ser nada muito mirabolante, mas se você faz bem, já é um passo importante.
  2. Comece pequeno, mas sonhe grande: é impossível começar algo novo já com sucesso garantido, algumas das maiores empresas do mundo nasceram em garagens ou até dormitórios de Universidades. O importante é ter objetivos, sonhar alto te incentiva a continuar, mesmo com dificuldades.

    Como ser um bom empreendedor
    (Foto: banco de imagens)
  3. Não se prenda ao plano de negócio: Ter uma organização, um plano de ação para os negócios é importante, mas não se prenda completamente a ele, pois isso pode te impedir de inovar e correr riscos que, na maioria das vezes, são necessários para se tornar um empreendimento de alto impacto.
  4. Procure investimentos e ganhe conselhos: é muito difícil fazer tudo sozinho, então não hesite em pedir ajuda, ouvir conselhos de pessoas experientes no ramo pode te auxiliar a evitar problemas, por exemplo. Essa ajuda também inclui as finanças, procure investidores, pessoas dispostas a te apoiar nesse desafio.
  5. A experiência te leva mais longe: não estamos falando de experiência de anos, mas um pequeno começo, entender sobre seu ramo de negócio é um bom exemplo. Basicamente, “empreendedores sempre precisam de experiência prévia, mas não muita a ponto de fazê-los evitar riscos e deixarem de ser flexíveis”.

Além de todas essas dicas, o ISF pode te ajudar como seu guia financeiro, auxiliando a encontrar a melhor solução de crédito para capital de giro e investimentos em sua empresa,  entre em nossa plataforma e faça uma simulação. Em caso de dúvidas, entre em contato com nossos canais de atendimento.

*Baseadas em conteúdo da Endeavor Brasil.

6 passos para cuidar da sua vida financeira

Se você está com problemas de saúde, geralmente é assim que funciona: você procura um especialista, ele faz um diagnóstico e então começa um tratamento. Mas e se o problema é com a sua vida financeira? Ter um diagnóstico também não ajudaria?

Vida Financeira
(Foto: banco de imagem)

Pois bem, ter uma visão geral da sua vida econômica é o ideal para conhecer seus gastos e equilibrar sua vida financeira. Então, o primeiro passo é fazer um diagnóstico da situação, seja sua ou da sua empresa. Você pode começar seguindo alguns pontos:

  1. Coloque tudo no papel: liste todos os seus gastos, inclusive aqueles pequenos, do dia a dia, que você acha que não farão diferença no final do mês.
  2. Compare seus gastos à sua renda mensal: planeje de acordo com o que você ganha, lembrando que suas dívidas extras (além das contas fixas mensais, como água, luz e telefone) não devem comprometer mais do que 30% do seu orçamento.
  3. Evite comprar coisas das quais não precisa: tente fazer compras inteligentes e de forma não impulsiva.
  4. Invista: com o dinheiro poupado pelo passo anterior, faça investimentos ou abra uma poupança, por exemplo.
  5. Faça disso sua rotina: integre esses passos à sua vida cotidiana, assim a saúde das suas finanças permanecerá em boas condições e esta será uma preocupação a menos.
Planejamento financeiro
(foto: banco de imagens)

Mas você pode estar pensando, no papel isso é muito simples, só que na prática não é fácil chegar a um diagnóstico e um tratamento com facilidade. Nós entendemos e é por isso que trazemos aqui o 6º e último passo deste guia, o ISF disponibiliza um diagnóstico gratuito do seu momento financeiro atual, para que você possa entender melhor a sua realidade financeira e consiga encontrar no mercado as melhores opções de crédito ou investimento.

No caso de pessoa física, o diagnóstico gera um perfil, identificando se suas finanças estão equilibradas ou se você precisa de ajuda. Para a pessoa jurídica, a plataforma gera um Demonstrativo de Resultados (DRE), pode entender o momento do negócio e o fluxo de caixa, por exemplo, a partir disso identificamos se existe um problema e a solução para ele.

O diagnóstico financeiro é gratuito e online, acesse a plataforma do ISF e faça o seu.

Assista o que nosso sócio e co-fundador, Renan Würfel, diz sobre o Diagnóstico Financeiro: