Planejamento para 2021

O ano de 2020 foi atípico para o comércio, então pode ser que a análise do ano seja tenha sido comprometida, dependendo de seu ramo de atuação ou o impacto da pandemia em sua região. 

A primeira coisa a considerar no planejamento para 2021 é qual será o parâmetro de suas metas. Se ficou difícil ter o ano de 2020 como referência para projeções, o ideal é que você analise os últimos anos de venda para entender melhor o comportamento de seu negócio.

Em primeiro lugar, o orçamento de 2021 será diferente porque deverá privilegiar criatividade, flexibilidade, inovação e a busca por novas fontes de receita. 

 

É fundamental investir em relacionamento com o cliente e a recuperação dos clientes perdidos, fazer ajustes nos modelos de precificação a partir da análise de novos dados, realocação de gastos comerciais para fontes voltadas para o crescimento e a digitalização de novos canais de vendas.

 

Para o ano que vem é importante  trabalhar com diversos cenários possíveis

 

Entenda que o cenário ainda é instável e que em vários lugares do mundo a segunda onda da Covid-19 está causando novos lockdowns, que ainda não sabemos se irão acontecer no Brasil, mas que dependendo de qual for o seu mercado podem causar impacto nas suas operações, mesmo que as lojas aqui no país não precisem fechar.

 

Por outro lado, a vacina parece estar mais próxima de uma produção que atenda a grande parte da população em vários países e o Brasil trabalha em alguns cenários variáveis para que isso aconteça no início do próximo ano. Embora não se saiba qual o impacto total da pandemia na economia nacional, todos sabemos que a vacina irá proporcionar maior tranquilidade aos consumidores que tendem a movimentar mais o mercado.

 

Digitalize seus negócios e expanda sua presença.

 

É mais do que hora de investir em presença on-line e métodos de vendas e relacionamento 24×7 com seus clientes. Pesquise ferramentas que possam auxiliar em seu planejamento e tornar mais prático o desenho de suas estratégias comerciais. Seja próximo, invista tempo e esforços para se conectar ao seu cliente. Invista em diversidade de canais e relacionamento mais próximo.

Busque parceiros, colaboração é uma ótima alternativa para crescer em tempos de crise e identifique empresas com quem seu negócio pode se aliar para que isso possa fortalecer a todos. Gerencie bem seu contatos, vamos sempre focar em proximidade e fortalecimento de vínculos. Estude, se reinvente, busque consultorias para lidar com os novos cenários. Um mercado em transformação pode trazer muitas oportunidades;

Seja realista, infelizmente, nosso futuro com a pandemia ainda é incerto. Comece aos poucos e, se precisar, readeque os planos para que eles reflitam a realidade. 

 

Aqui vão algumas dicas de quais devem ser os passos prioritários de sua estratégia para o próximo ano:

 

  • Definição de objetivos e flexibilidade, trabalhe com diversos cenários possíveis;
  • Definição de estratégias de rápida execução;
  • Definição de táticas;
  • Operação comercial;
  • Métodos de controle e manutenção;
  • Planificação de métricas;
  • Digitalização de canais e investimento em CRM;
  • Trabalhe com métricas SMART: S (específica); M (mensurável); A(atingível); R (relevante); e T (temporal).

 

Os desafios são grandes, mas cenários de crise têm a capacidade de movimentar o mercado e as posições de seus players, então tente encontrar as oportunidades de crescimento. Não tenha medo de experimentar novos canais ou estratégias de vendas, fale com seu cliente de forma a ter feedbacks mais rápidos, velocidade com eficiência pode ser um diferencial fundamental para a retomada comercial em 2021.

 

Busque consultorias, faça um diagnóstico financeiro de sua empresa, analise a possibilidade de investimentos e conte com o ISF Crédito para que a retomada de seus negócios aconteçam com a maior eficácia e velocidade possível.

 

Fale com um de nossos consultores.

Como conseguir crédito para minha empresa?

Um dos desafios de gestão mais frequente no dia a dia de qualquer empresa é obter crédito, seja para investir na abertura da empresa quando tudo ainda está no papel ou para a melhoria de maquinário, expansão, pagamento de dívidas, capital de giro. Logo, surge a dúvida: Como eu consigo crédito para a minha empresa? Neste artigo vamos apresentar as melhores dicas para obter crédito de uma maneira responsável e que seja saudável para as finanças do seu negócio. Vamos lá?

 

 – Planejamento – O planejamento diz respeito tanto ao olhar para dentro da própria empresa, quanto ao olhar para o mercado. Olhar para dentro é entender os motivos que tornam o empréstimo a melhor opção para o seu negócio, qual é o objetivo a alcançar com essa operação e se essa é a melhor forma de conseguir o capital do qual necessita. A partir daí é possível avaliar qual o melhor modelo, linha de crédito, valor do empréstimo, quantidade de parcelas e qual porcentagem de seu faturamento pode ser comprometida.

Olhar para o mercado é olhar para fora. O mercado financeiro está mais acessível e com opções mais diversas, portanto é fundamental conhecer as opções disponíveis, as taxas que serão utilizadas no negócio, saber quais serão as condições, prazos e juros antes de fechar qualquer empréstimo.

 

 – Verifique como estão suas finanças pessoais – Em uma análise de crédito para uma empresa o CPF do dono ou dos sócios serão analisados. É importante não ter pendências e estar em situação regular com a Receita.

 

– Caneta e papel na mão – Calcule o custo efetivo total. Um empréstimo obviamente exige que você faça contas. Colocar no papel, fazer registros e cálculos, buscar orientações e simulações diversas ajudam muito. Em um empréstimo podem ser cobrados os valores das instituições financeiras, taxas de juros e administrativas e outros, com multas em caso de atraso de alguma parcela. Se informe sobre o Custo Efetivo Total do crédito e se planeje com base nele.

 

– A escolha da melhor linha de crédito – As opções de linhas de crédito são muito variadas e saber qual se adequa melhor ao porte de sua empresa pode beneficiar o seu plano de negócios. Lembre-se sempre que você pode recorrer a empresas especializadas nessa busca.

 

– Atualize seu plano de negócios – É possível, de acordo com sua demanda ou com a instituição financeira que buscar, que seja necessário apresentar seu projeto ou o plano de negócios. Isso serve para mostrar que sua busca por crédito atende a uma necessidade real, viável e que sua empresa conseguirá arcar com o compromisso feito com a instituição financeira que lhe cederá o crédito.

 

– Enfim, a solicitação de crédito – Depois de selecionar a instituição financeira, baseado nas taxas cobradas e serviços oferecidos, faça a solicitação de crédito e entregue a documentação necessária.

 

Lembre-se que a pressa é inimiga da perfeição e que em uma operação em que você se compromete com uma instituição financeira o ideal é agir com calma e com convicção em todas as etapas do processo.

 

Algumas opções de linhas de crédito são:

 

Linhas de crédito do BNDES – O BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) tem a função de dar suporte às empresas brasileiras de todos os portes através de financiamento, que, atenção: não é um empréstimo. Esse financiamento é vinculado a uma finalidade específica – como compra de máquinas, equipamentos e outros bens; modernização de um negócio; capital de giro, etc. Esses financiamentos devem ser solicitados junto a instituições financeiras credenciadas.

 

Capital de Giro – Para micro e pequenas empresas, há uma linha de crédito chamada de Proger Urbano – Capital de Giro.

 

Microcrédito Produtivo Orientado – A Caixa Econômica Federal dispõe dessa linha de crédito para empresas de pequeno porte e até mesmo para microempreendedores individuais (MEIs). A grande vantagem dessa linha de crédito é que a burocracia é muito menor, todavia, o limite máximo para o empréstimo é de R$ 15 mil, sujeito a análise.

 

Antecipação de recebíveis – A antecipação de recebíveis é uma opção prática para socorrer demandas de curto prazo, como pagar algum fornecedor ou uma dívida. Nela você literalmente antecipa valores que sua empresa já têm a receber, mas que só receberia com um prazo maior.

 

– Fintechs – As fintechs são startups de serviços financeiros que oferecem soluções de forma rápida e inovadora. A principal vantagem em buscar por uma fintech é que os processos são totalmente digitais e utilizam tecnologia para avaliar o perfil do cliente e calcular o nível específico de risco, a partir de diversas fontes do mercado.

 

Uma alternativa diferente:

 

FAMPE /SEBRAE – Fundo de Aval às Micro e Pequenas Empresas (do SEBRAE) – Todos sabemos que uma parte essencial para a solicitação de um empréstimo é a apresentação de garantias e que a falta delas podem fazer com que sua solicitação seja negada.

O FAMPE não é uma linha de crédito, mas uma ferramenta que auxilia as pequenas empresas a completarem a lista de garantias que um banco exige para emprestar dinheiro. Nesse programa o SEBRAE atua como avalista, e o FAMPE como um fundo de aval, sempre dependendo da finalidade do empréstimo e do porte da empresa.

 

Agora você já sabe quais são as principais etapas para a tomada de um empréstimo, desde o planejamento até a aprovação. É hora de entender como essas dicas se encaixam seu perfil. 

Para mais conteúdos de relevância para sua empresa, acompanhe o ISF!

5 erros que você não deve cometer ao abrir sua empresa

Abrir uma empresa requer conhecimentos prévios de mercado e seguir todos os passos e processos de abertura obrigatórios da cidade e estado escolhidos.

E, além disso, tem alguns macetes que empreendedores de primeira viagem muitas das vezes não sabem e acabam cometendo erros que prejudicam a saúde e o futuro do negócio.

Por isso, para te ajudar nessa jornada, separamos 5 erros que você não deve cometer ao abrir sua empresa. Preparado?

1 – Falta de planejamento

O principal erro que todo empresário não pode cometer é a falta de planejamento. E não é só planejamento financeiro, é planejamento geral de mercado.

Quem é meu público alvo? O que eu farei para atingi-lo? Como serão as vendas? O marketing, quem vai cuidar? Ou seja, esse planejamento deve englobar praticamente todos os aspectos da empresa.

E, claro, não poderíamos deixar de falar do planejamento financeiro empresarial, que é fundamental para uma empresa. Pois é ele que vai definir o valor de crédito necessário: os gastos iniciais e mensais, os custos com pessoal e fornecedores e a margem de lucro esperada. 

Feito tudo isso, vá adaptando seu planejamento à realidade da sua empresa, que tudo dá certo no final.

2 – Crédito com taxas de juros muito altas

Não precisa ser um expert em finanças para saber que é quase impossível abrir uma empresa sem crédito, não é mesmo? Pois é com esse dinheiro emprestado que você vai conseguir fazer os investimentos iniciais, comprar os primeiros insumos e ter um fluxo de caixa antes do negócio gerar lucros reais. 

Mas, o que não pode acontecer é pegar um crédito com taxas de juros muito altas. Por isso é necessário pesquisar bastante, falar com as instituições financeiras e consultar seu contador para não cair em cilada. 

Portanto, é preciso ter cuidado! Taxas de juros muito altas e parcelas muito caras podem se tornar bolas de neve impossíveis de pagar no futuro, mesmo que a sua empresa tenha sucesso.

3 – Perder o controle do capital de giro

Se você já abriu uma empresa e está começando, lembre-se que um dos maiores vilões que levam pequenas e médias empresas à falência é a falta do capital de giro.

O capital de giro é o ativo circulante utilizado para pagar contas mensais que fazem seu negócio funcionar como: luz, água, telefone, salário dos colaboradores, impostos, compra de matérias primas e outros. Ou seja, é esta quantia de dinheiro em caixa que movimenta todas as demandas básicas de uma empresa.

E, se você não tem essa reserva é difícil evitar crises e visualizar um futuro para o seu negócio. 

4 – Perder o foco do fluxo de caixa

Outro ponto que precisa de uma atenção especial é o fluxo de caixa da sua empresa, pois é através dele que você consegue saber quanto de dinheiro entra e sai do total de transações.

Assim, conhecendo bem seu fluxo de caixa é possível saber onde é o ponto de equilíbrio da empresa e como melhor administrar as suas contas a pagar e a receber, cobrando clientes que estejam devendo e pedindo mais prazo ou condições favoráveis para fornecedores.

5 – Exagerar no estoque 

Muitas pessoas acham que o estoque de produtos é um custo, mas ele está mais para um investimento. Porque, naquele estoque, você investiu dinheiro da empresa que foi convertido em mercadorias.

Ou seja, se você exagerar no estoque, o dinheiro investido pode ficar parado, sendo que você poderia investir em outro setor que necessita mais.

Por isso é importante saber qual a demanda do seu mercado, sem ser pessimista demais ou otimista em excesso, assim fica mais fácil ter uma noção do quanto investir em estoque.

Agora que você já sabe como abrir uma empresa e quais erros não cometer, tire seus planos do papel e realize seu sonho, empreendedor.

Está precisando de uma ajudinha com o capital de giro? O ISF pode te ajudar! Clique aqui e saiba mais!

O que você precisa saber para abrir sua empresa?

Abrir o próprio negócio é o sonho de muitos brasileiros. E, como o processo pode ter várias etapas e ser um pouco burocrático, vários futuros empresários não têm noção do que fazer para tirar esse sonho do papel.

Por isso, preparamos um passo-a-passo para você dar início à abertura da sua empresa.

Preparado?

Registre sua empresa

Formalizar o seu negócio é sempre o primeiro passo. É necessário realizar corretamente todas as inscrições, licenças e alvarás necessários. Então, você deve ter em mãos:

  • Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica;
  • Número do CNPJ;
  • Estar inscrito na Previdência Social.

Com esses documentos em mãos, você pode começar o processo de registro da sua empresa.

Vale lembrar que, para cada ramo de atividade escolhida, você precisará de autorizações distintas. A legislação do município e do estado onde sua empresa será instalada também pode exigir inscrições específicas. Por isso, é importante consultar um contador que conheça a legislação local.

Passo-a-passo para formalizar minha empresa

1 – Consulte um contador

Sim, antes de tudo você precisa de um contador para abrir e manter sua empresa. Ele será seu parceiro para organizar seus negócios e manter tudo em dia e funcionando dentro da  lei. Além disso, ele pode te dar dicas sobre gestão e controle das finanças.

2 – Faça um registro na junta comercial

Fazer o registro na Junta Comercial ou no Cartório de Pessoas Jurídicas de seu estado quer dizer que a partir daquele momento sua empresa passará a existir oficialmente

Ele deve ser feito antes da obtenção do CNPJ e, apesar de não oferecer autorização para sua empresa começar a funcionar, é requisito essencial para prosseguir no processo de legalização dela.

3 – Elabore um contrato social

Redigir o contrato social é importante, pois nele você irá definir as participações de capital de cada um dos sócios do empreendimento, além de definir quais serão as atividades da empresa e seu funcionamento (modelo tributário, participação dos sócios, etc). 

Feito isso, verifique se o nome e o objeto social da empresa encontram-se disponíveis para que o documento seja elaborado, e após leve este documento para ser reconhecido em cartório e assinado por um advogado.

Dica: avalie, junto com seu contador, se sua empresa pode se enquadrar no Simples Nacional. É uma excelente forma de reduzir alíquotas de tributos e simplificar sua forma de pagamento junto aos órgãos do Fisco.

4 – Faça sua inscrição estadual

A inscrição estadual é obrigatória para empresas que prestam serviços de comunicação e energia, além das empresas dos setores do comércio, indústria e serviços de transporte intermunicipal e interestadual. 

Assim, a maioria dos estados possui um convênio com a Receita Federal que possibilita obter a inscrição estadual pela internet junto com o seu CNPJ, por meio de um cadastro único. 

5 – Obtenha seu alvará de funcionamento

O alvará de funcionamento é a autorização final para literalmente abrir as portas da sua empresa. Para obtê-lo, você precisa comprovar na prefeitura da sua cidade que reúne todas as condições exigidas por lei para exercer a atividade escolhida. Essas condições podem variar de acordo com o município, estado e ramo de atividade.

Dica para abrir sua empresa

Antes de fazer todo o processo acima, você, empreendedor, deve estar seguro da sua decisão e ter um planejamento prévio de gastos, despesas e até mesmo lucro.

Por isso, pesquise bastante, se intere sobre o mercado do ramo escolhido e não se esqueça de planejar cada detalhe!

Pronto, agora você pode dar início a sua empresa! Siga o passo-a-passo e boa sorte!

Quer saber mais dicas sobre empresas, empréstimos e crédito online? Continue navegando pelo nosso blog!

Quer investir, mas está sem grana?

Quando se fala em investimento, muitas dúvidas podem surgir, e isso é normal. Existem diversas formas de investir, inclusive com pouco dinheiro e até mesmo fazendo um empréstimo. Mas antes de dar um passo tão importante, é fundamental aprender sobre o assunto.

Não existe um caminho fácil para ganhar dinheiro rápido, mas coloque na sua cabeça que você pode poupar dinheiro, ajustar o seu orçamento ou analisar o que já tem antes de fazer um novo investimento.

Não importa se o dinheiro que vai investir é poupado ou até mesmo emprestado, o importante é que ele cresça. Invista em algum negócio, em um produto ou em você mesmo. Tire um tempo e veja nossas dicas para decidir como e por onde começar.

 

Comece por um negócio menor

Antes de abrir qualquer empreendimento é necessário que você conheça a fundo histórias de sucesso, e também histórias de fracasso, sobre o nicho ou setor que você deseja investir o seu dinheiro.

Não se esqueça de que quando você monta um comércio, precisa de produtos e de um ponto comercial. Quando monta uma indústria, precisa de máquinas. E até mesmo quando se trabalha em casa, é necessário investir em alguns materiais.

Procure e pesquise ideias que funcionarão de uma forma econômica no início e aprenda com isso. Em breve o seu negócio será mais rentável e você poderá investir ainda mais.

Veja algumas dicas de negócios que não precisam de um alto investimento:

Ensino

Se você é fluente em alguma língua estrangeira, tem conhecimento sobre trabalhos manuais, sabe tocar bem algum instrumento ou entende tudo sobre algum esporte, faça com que seu hobby ou talento se torne um negócio.
Pense nas pessoas que já te pediram ajuda em algum assunto que você possui um grande entendimento, venda o seu conhecimento para quem busca se aperfeiçoar em alguma área específica, opte por ministrar cursos presenciais ou online. Inicialmente, esse negócio pode não ser a sua única ocupação, mas com o tempo pode se tornar a sua principal renda, basta saber como iniciar, divulgar e manter as suas aulas.

 

Monte um e-commerce

Abrir uma loja virtual, principalmente com um estoque pequeno e com pouca variedade de produtos exige pouco investimento inicial. Comparado a lojas físicas, negócios online tem um custo mais baixo, e no início você pode trabalhar dentro da sua casa, sem ter a necessidade de alugar algum local para fixar o seu estabelecimento.

 

Invista em nichos

Antigamente, uma barbearia era apenas um local para se fazer a barba, hoje, esse negócio se destaca como um ambiente que exige uma bela decoração, uma vestimenta certa para os funcionários e até mesmo lazer, como televisão e videogames. O mesmo vale para hamburguerias gourmets, docerias e cervejarias. Todos esses nichos evoluíram ao longo dos anos e tem um ponto em comum: focam em um público-alvo específico, com necessidades parecidas, não precisam de um grande estoque para se manter no mercado e nem de um alto investimento inicial.

 

Microfranquias

A maioria das microfranquias pedem um investimento de até R$ 90 mil, e tem outra vantagem, o prazo de retorno também é menor. Mesmo que saia um pouco mais caro que outras opções de investimento, as microfranquias têm se destacado no mercado e podem ser uma ótima oportunidade para pessoas que sempre desejaram ser empreendedoras.

 

Desbancarização

Sabemos que nem todo mundo possui dinheiro suficiente para investir em um novo negócio, e isso não é um problema. Existem vários tipos de empréstimo, pesquise e encontre aquele que se encaixa nos seus planos.
Pare de pensar que só é possível pegar dinheiro emprestado com um banco. Existem empréstimos confiáveis com taxas menores e com bons prazos para qualquer perfil de empreendedor. Conheça algumas categorias de empréstimo e analise qual a melhor forma de investir antes de fechar o contrato.

 

Empréstimo com garantia de imóvel

Se você não quer pagar juros altos aos bancos, uma das opções é o empréstimo com garantia de imóvel. Nele, o seu imóvel residencial ou comercial é usado como garantia de pagamento.
Neste caso, as taxas de juros são mais baixas. Mas lembre-se, o seu imóvel precisa estar ao menos parcialmente quitado e a liberação será baseada no valor que você precisa e na porcentagem do que já foi quitado.

 

Empréstimo com garantia de veículo

Neste caso, o seu carro ou a sua moto podem ser usados como garantia. Você terá mais segurança e receberá um empréstimo que tem como base o preço do veículo. A taxa de juros também pode variar dependendo do veículo, que será avaliado antes que o negócio seja fechado. Geralmente o valor liberado corresponde a 80% do valor do seu veículo.

Agora que você já leu as nossas dicas, imaginamos que já tenha decidido em qual negócio deseja investir e qual o melhor tipo de empréstimo para começar a empreender. Para saber quais as condições no seu caso, faça uma simulação gratuita no site do ISF Crédito Orientado.

Como conseguir capital de giro para sua empresa

Você sabe o que é o capital de giro? Bom, para quem sabe, a pergunta pode parecer óbvia, mas tem todo mundo que começa um negócio próprio sabe identificá-lo ou mesmo reconhecer a sua importância para os negócios.

Em resumo, capital de giro é o dinheiro necessário para manter o funcionamento da empresa, como pagamento de salários, manutenção do imóvel, energia elétrica etc. Temos um artigo detalhado sobre  como calcular o capital de giro da sua empresa.

Se os ativos estão maiores que os passivos, sua empresa tem capital de giro adequado para financiar as operações. Se o passivo for maior que o ativo, atenção: a empresa está com falta de recursos. E perceber isto tarde demais pode significar atraso no pagamento de fornecedores, de salários… em resumo: dívida.

Existem alguns meios de se precaver e evitar que as operações da empresa sejam prejudicadas, confira:

Antecipação de recebíveis

Como o próprio nome sugere, a antecipação de recebíveis faz o dinheiro a ser recebido no futuro pela empresa se tornar um caixa presente. As instituições financeiras e demais organizações neste ramo de atuação assumem o risco deste recebimento futuro. Os juros irão variar conforme o tempo em que o cliente demorar para compensar o crédito oferecido, por isso é importante ficar atento.

Empréstimo

Esta é uma opção muito comum tanto para empresas que possuem créditos a receber, quanto entre aquelas que não possuem. Com o planejamento certo, é possível encontrar as menores taxas de juros e condições de pagamento, além de criar as melhores estratégias para quitar o empréstimo. O crédito concedido no empréstimo leva em conta o porte da empresa, o que pode ser algo positivo para garantir o fôlego certo nas operações.

 

Se você precisar de ajuda com capital de giro, o ISF Crédito pode te ajudar. Reúna seu orçamento, acesse nosso site e faça uma simulação. Em caso de dúvidas, entre em contato por meio dos nossos canais de atendimento.

 

O que você precisa saber sobre Planejamento Financeiro

O ano já passou da metade e você ainda não tirou o seu negócio do papel? No post de hoje, trazemos um tema que pode te ajudar a dar um pontapé inicial: planejamento financeiro.

Para começar é importante entender que o planejamento financeiro é uma análise, ampla e ao mesmo tempo detalhada, das necessidades do seu negócio, com ela entendemos, por exemplo, quanto e onde o dinheiro será empregado.

O que você precisa saber sobre Planejamento Financeiro
(Foto: Banco de imagens)

Com isso em mente, partimos a entender os gastos do seu negócio. Eles são divididos em:

Investimentos fixos: quantia reservada para adquirir os bens necessários para fazer seu negócio funcionar de maneira apropriada. Assim, se você vai abrir uma padaria seu investimento fixo vai ser gasto com forno, freezers e vitrines, por exemplo.

Investimentos financeiros: são destinados a formação do capital de giro para o empreendimento, compreendendo, por exemplo, a aquisição de mercadoria e formação de estoque. É com esse dinheiro que você compra os ingredientes para os produtos confeccionados na padaria, além daqueles que você revende como suco e refrigerante. Além disso, o investimento financeiro envolve a formação de um caixa inicial para o negócio.

Investimentos pré-operacionais: são aqueles feitos antes do início das atividades e geralmente estão associados a questões burocráticas ou estruturais, como reformas de imóveis e taxas para registro da empresa. Como todos os empreendimentos, uma padaria precisa de registros, licenças e alvarás para que possa funcionar.

O que você precisa saber sobre Planejamento Financeiro
(Foto: banco de imagens)

Ao final de todos esses cálculos e pesquisas de preços, você consegue chegar à quantia necessária para abrir o seu negócio. Assim, some os investimentos fixos, os financeiros e os pré-operacionais para obter o investimento total.

Com esse valor total em mãos, você é capaz de buscar os recursos para tirar tudo do papel. Nesse momento, o ISF pode te auxiliar como seu guia financeiro, analisando as opções do mercado para encontrar a melhor solução de crédito para você. Acesse nossa plataforma e faça uma simulação: www.isfcredito.com.br. Em caso de dúvidas, entre em contato com nossos canais de atendimento

4 ações infalíveis para reduzir os gastos da sua empresa

Controlar a vida financeira de uma empresa não é fácil, já que existem muitos elementos envolvidos nessa administração e por isso algumas vezes o resultado de todo esse processo é o descontrole das contas. Desse modo, no post de hoje trazemos 4 ações que vão te ajudar a diminuir os gastos do seu negócio e colocar as finanças no lugar.

4 AÇÕES INFALÍVEIS PARA REDUZIR OS GASTOS DA SUA EMPRESA
(Foto: banco de imagens)
  • Não faça cortes desenfreados, sem ter nenhum tipo de critério: isso pode prejudicar a empresa mais do que gastos altos, uma vez que retirar recursos de setores fundamentais, sem uma boa análise prévia, pode lesar o próprio desenvolvimento do negócio. Assim, planeje o corte a partir da sua planilha de gastos mensais, de modo que sua produção ou serviço não receba tanto impacto.
  • Renegocie dívidas: esse é um conselho sempre dado à pessoas físicas endividadas, mas renegociar as dívidas também ajuda as empresas, uma vez que pode diminuir, por exemplo, os juros pagos e consequentemente, os gastos mensais. Mas nesse caso, é importante se atentar à sua capacidade de cumprir o acordo feito, já que a renegociação de dívidas é uma ação que envolve confiança do banco com o cliente e também coloca em jogo a credibilidade da sua empresa e sua marca, no mercado financeiro.
  • Volte sua atenção aos fornecedores e ao seu estoque: como parte importante do funcionamento da sua empresa e consequentemente mobilizador de uma boa parte dos seus gastos, os fornecedores devem receber grande atenção. Atualize suas pesquisas de mercado, é possível que existam preços mais baratos dos produtos que você precisa; se o caso for a relação de confiança com o seu fornecedor, utilize esses dados para negociar com ele e abaixar os preços. Nesse mesmo cenário, se atente ao seu estoque e reorganize seus pedidos, por exemplo, diminuindo as quantidades dos produtos que têm menos saída, evitando o prejuízo de itens parados ou fora da validade.
4 AÇÕES INFALÍVEIS PARA REDUZIR OS GASTOS DA SUA EMPRESA
(Foto: Banco de imagens)
  • Conte com a sua equipe: a diminuição de gastos deve ser feita por todos da empresa, assim compartilhe os planos com sua equipe, eles são de grande ajuda nesse processo, uma vez que estão diretamente ligados ao funcionamento da empresa. Eles podem ajudar a partir de ações simples como diminuir o uso de papel com a digitalização de documentos, não deixar aparelhos eletrônicos ligados na tomada sem uso, aproveitar a luz do sol ao invés de utilizar as luzes e usar garrafinhas no lugar de copos descartáveis. Entretanto, é sempre bom utilizar o bom senso ao propor esses cortes à sua equipe, de forma que o trabalho dos mesmos não seja prejudicado.

Além disso, é importante manter todos os gastos e receitas envolvidos no funcionamento da sua empresa, na ponta do lápis e o fluxo de caixa é uma ferramenta fundamental, já te ensinamos a organizá-la neste artigo.

Se você perceber que o seu negócio precisa de ajuda, o ISF te auxilia como seu guia financeiro, encontrando a melhor solução de crédito para capital de giro e investimentos em sua empresa.  Acesse nossa plataforma e faça uma simulação: www.isfcredito.com.br. Em caso de dúvidas, entre em contato com nossos canais de atendimento

Como calcular o capital de giro da sua empresa

Capital de Giro. Se você é um empreendedor, com certeza conhece e sabe da importância dessas palavras para sua empresa. Colocando de forma simples, esse é o dinheiro necessário para fazer a empresa funcionar no dia a dia, isso envolve gastos como produção e comercialização, como estoque, caixa, vendas e fornecedores.

Como calcular o capital de giro da sua empresa
(Foto: banco de imagens)

Para calcular o capital de giro é necessário entender que, financeiramente, ele é composto por dois elementos:

  • ativo circulante: são os valores que entram na empresa e estão, basicamente, ligados ao recebimento de pagamentos dos clientes, investimentos e caixa.
  • passivo circulante: é a quantia de dinheiro que sai da empresa, abarcando, principalmente, contas a pagar (funcionários, água, luz, internet, …) e fornecedores.

CG = AC – PC

(capital de giro) = Ativo circulante – Passivo Circulante

Nesse contexto, é importante lembrar de um fator significativo para alguns tipos de negócio, o estoque. Ele é uma forma de imobilização do seu dinheiro, ou seja, um investimento que fica parado na expectativa de dar retorno assim que o estoque seja vendido.

Assim, a conta passa a ser feita com mais um elemento:

CG= AC – PC + E

(capital de giro) = Ativo circulante – Passivo Circulante + Estoque

Como calcular o capital de giro da sua empresa
(Foto: banco de imagem)

Aplicando essas fórmulas com valores. Vamos supor que suas despesas somam uma quantia de R$18mil (PC) e as contas que tem para receber contabilizam R$35mil (AC). Assim, o valor de seu capital de giro líquido deve ser:

CG = AC – PC CG = R$35mil – R$18mil = R$17mil

 

Agora, consideremos que sua empresa precise de estoque e ele mobilize um valor de R$15mil. Seu capital de giro deve alcançar o valor de:

CG= AC – PC + E CG = R$35mil – R$18mil + R$15mil = R$32mil

 

Calcular o valor do capital de giro é um dos primeiros passos no difícil caminho de administrar esse dinheiro, de forma a manter sua empresa funcionando de forma ideal e saudável.  Se você perceber que precisa de ajuda com seu capital de giro, o ISF também pode te auxiliar. Reúna seu orçamento, acesse nossa plataforma e faça uma simulação. Em caso de dúvidas, entre em contato por meio dos nossos canais de atendimento.

Classifique e priorize com rapidez os problemas da sua empresa

Um dos nossos objetivos neste blog é dar dicas que te ajudem a fazer uma administração inteligente do seu negócio. Assim, de tempos em tempos trazemos ferramentas focadas nisso, para que você encontre aquela com que mais se identifica e se aplique no seu negócio.

No post de hoje, te apresentamos a Matriz GUT. O nome da matriz é uma sigla para Gravidade, Urgência e Tendência, os elementos trabalhados nessa ferramenta que te ajuda a priorizar os problemas da sua empresa, ou seja, a partir de sua aplicação você consegue classificar as questões que estão te tirando o sono a partir da gravidade de cada uma, da urgência que elas demandam e qual a tendência de piorar. Assim, basicamente, você estabelece prioridades.

(Foto: banco de imagens)

De forma mais profunda, vamos passar por cada um dos elementos da Matriz:

  • Gravidade: indica o impacto que esse problema, se não for resolvido, terá na sua empresa, funcionários e clientes. Essa análise pode ser qualitativa, o fato de o problema causar a queda de qualidade dos seus produtos, por exemplo, ou quantitativa, como provocar prejuízos. Para classificar a gravidade, usa-se uma pontuação de 1 a 5, onde:

1: sem gravidade

2: pouco grave

3: grave

4: muito grave

5: extremamente grave

  • Urgência: está relacionada ao tempo viável e disponível para a resolução do problema, assim, quanto menor o tempo, maior a urgência. Para classificar a urgência, também existe uma pontuação de 1 a 5:

1: pode esperar

2: pouco urgente

3: o mais rápido possível

4: é urgente

5: ação imediata

 

  • Tendência: trata-se da probabilidade do problema crescer e piorar ao longo do tempo. Essa é uma análise um pouco mais intuitiva do que os outros elementos já que é necessário fazer uma projeção do que pode acontecer se o problema não for resolvido. Assim como os outros, a classificação da tendência também tem uma pontuação de 1 a 5:

1: não muda nada

2: piora a longo prazo

3: piora

4: piora a curto prazo

5: piora rapidamente

(Foto: banco de imagens)

Agora que você sabe o que e como analisar, vamos ao passo a passo de montar a matriz. A primeira coisa é listar todos os problemas, então imaginemos que nossa empresa tem as seguintes questões: atraso dos fornecedores e inadimplência de clientes.

O próximo passo é classificar esses problemas dentro dos três elementos:

  • Atraso dos fornecedores: G4   U4 T5

sem os produtos dos fornecedores é impossível manter uma produção no mesmo ritmo, assim é necessário que o estoque esteja relativamente cheio e dê conta de sustentar pelo menos parte da produção.

  • Inadimplência de clientes: G3   U3 T2

aqui, consideramos que nossa empresa seja de médio porte e que essa inadimplência seja de pouquíssimos clientes, assim o atraso em pagamentos não afeta tanto no nosso fluxo de caixa.

Com a pontuação fechada é hora de estabelecer as prioridades, para isso a conta é simples, basta multiplicar os valores dos elementos: G x U x T.

  • Atraso dos fornecedores: 4 x 4 x 5= 80
  • Inadimplência de clientes: 3 x 3 x 2= 18

Assim, o problema que necessita de uma solução prioritária é o atraso dos fornecedores.

(Foto: banco de imagens)

Depois de estabelecer as prioridades é hora de planejar as ações para resolver os problemas. Nessa hora, você pode utilizar outras ferramentas como o Ciclo PDCA e o 5W2H. De forma geral, a Matriz GUT é uma forma simples de organização em meio aos tantos problemas que aparecem quando se é um empreendedor, orientando um caminho que priorize as ações a serem tomadas.

Se você perceber que precisa de ajuda com custos para resolver alguns problemas, o ISF também pode te auxiliar. Reúna seu orçamento, acesse nossa plataforma e faça uma simulação. Em caso de dúvidas, entre em contato por meio dos nossos canais de atendimento.