Como investir em energia renovável?

Mensalmente recebemos uma correspondência que nos faz ficar assustados: a conta de energia elétrica. O motivo são os altos valores que normalmente pagamos pelo fornecimento, e o pior, as quantias costumam ficar cada vez mais “salgadas” para os nossos bolsos.

O custo da energia no Brasil ocupa posições do topo no ranking de mais caras do mundo, mas esse não é o único problema. A geração de energia também é um obstáculo, no país onde grande parte da energia é fornecida por meio das hidrelétricas e de fontes não renováveis, a questão ambiental também vem à tona. Já que atualmente a preservação do meio ambiente é um assunto necessário.

Não tem jeito, precisamos a todo instante de energia, na sua casa, empresa ou fazenda, sempre estamos usando eletricidade. Entretanto, existe um caminho para seguir na contramão destes problemas que a acompanham, basta olhar para o céu. É que através do sol, utilizando as placas fotovoltaicas, você pode conseguir uma fonte de energia renovável que pode te ajudar tanto na economia quanto no meio ambiente.

 

Por que usar placas fotovoltaicas?

Ter a sua própria usina elétrica parece ser algo que demande muito dinheiro. Porém, com o passar dos anos e o avanço da tecnologia, houve um certo barateamento no custo das placas fotovoltaicas no país.

É através da energia solar que acontecem a maioria dos sistemas de geração distribuída, que é quando o cliente e a distribuidora de energia firmam uma parceria em que o consumidor produz parte da energia que consome e assim recebe um desconto em sua conta. Desta maneira, é necessário considerar que a compra de um sistema de energia solar, na verdade, deve ser encarado como um investimento que trará retorno no futuro.

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), informou que de junho de 2013 até o mesmo mês deste ano, as conexões por meio de microgeração de energia aumentaram de 23 para 30.900. Ainda de acordo com a Aneel, 99% destas conexões eram por energia solar. Isso mostra o crescimento desta fonte de energia no país.

Alguns fornecedores afirmam que os sistemas de energia solar podem trazer mais de 90% de economia na conta de luz. E tudo isso é auxiliado ainda mais por um aspecto característico do Brasil, as largas medidas do território brasileiro e a grande presença de raios solares durante grande parte do ano. Isso faz com que o país tenha vantagens em relação à outros lugares pelo mundo.

Confira os principais benefícios para o meio ambiente:

  • Não emite gases poluentes;
  • Não interfere nos ecossistemas;
  • Não produz ruídos.

 

Crédito para investir em energia renovável

Você pode não saber, mas existem diferentes formas para financiar a instalação de um sistema de geração de energia solar. Como esse sistema diminui o gasto com a conta de energia, quem investe pode pagar as parcelas do financiamento com o dinheiro poupado.  

 

Um investimento assim é pago, em média, de 4 a 5 anos, e dura em média 15 anos. Pessoas físicas ou jurídicas podem fazer esse investimento em residências, empresas ou fazendas, ou seja, qualquer lugar que tenha uma grande área livre com bastante incidência solar. E o melhor, você não depende de rede elétrica.

Como os projetos de energia podem variar, procure uma empresa de crédito orientado para te ajudar nessa fase. Saiba quanto você quer investir, quais são os benefícios e qual será a forma de pagamento e os juros.

O ISF tem soluções com juros baixos e com um longo prazo para você fazer um investimento sustentável, através de um empréstimo com garantia. Ele funciona como um financiamento do seu automóvel (carro ou moto) ou do seu imóvel (residencial ou comercial). Ao fazer essa escolha, você oferece o seu bem como garantia de pagamento, mas com vantagens: juros baratos e taxas flexíveis.

O ISF Crédito tem as melhores linhas de crédito para você investir em energia renovável. Acesse o nosso site e faça uma simulação gratuita.

 

Classifique e priorize com rapidez os problemas da sua empresa

Um dos nossos objetivos neste blog é dar dicas que te ajudem a fazer uma administração inteligente do seu negócio. Assim, de tempos em tempos trazemos ferramentas focadas nisso, para que você encontre aquela com que mais se identifica e se aplique no seu negócio.

No post de hoje, te apresentamos a Matriz GUT. O nome da matriz é uma sigla para Gravidade, Urgência e Tendência, os elementos trabalhados nessa ferramenta que te ajuda a priorizar os problemas da sua empresa, ou seja, a partir de sua aplicação você consegue classificar as questões que estão te tirando o sono a partir da gravidade de cada uma, da urgência que elas demandam e qual a tendência de piorar. Assim, basicamente, você estabelece prioridades.

(Foto: banco de imagens)

De forma mais profunda, vamos passar por cada um dos elementos da Matriz:

  • Gravidade: indica o impacto que esse problema, se não for resolvido, terá na sua empresa, funcionários e clientes. Essa análise pode ser qualitativa, o fato de o problema causar a queda de qualidade dos seus produtos, por exemplo, ou quantitativa, como provocar prejuízos. Para classificar a gravidade, usa-se uma pontuação de 1 a 5, onde:

1: sem gravidade

2: pouco grave

3: grave

4: muito grave

5: extremamente grave

  • Urgência: está relacionada ao tempo viável e disponível para a resolução do problema, assim, quanto menor o tempo, maior a urgência. Para classificar a urgência, também existe uma pontuação de 1 a 5:

1: pode esperar

2: pouco urgente

3: o mais rápido possível

4: é urgente

5: ação imediata

 

  • Tendência: trata-se da probabilidade do problema crescer e piorar ao longo do tempo. Essa é uma análise um pouco mais intuitiva do que os outros elementos já que é necessário fazer uma projeção do que pode acontecer se o problema não for resolvido. Assim como os outros, a classificação da tendência também tem uma pontuação de 1 a 5:

1: não muda nada

2: piora a longo prazo

3: piora

4: piora a curto prazo

5: piora rapidamente

(Foto: banco de imagens)

Agora que você sabe o que e como analisar, vamos ao passo a passo de montar a matriz. A primeira coisa é listar todos os problemas, então imaginemos que nossa empresa tem as seguintes questões: atraso dos fornecedores e inadimplência de clientes.

O próximo passo é classificar esses problemas dentro dos três elementos:

  • Atraso dos fornecedores: G4   U4 T5

sem os produtos dos fornecedores é impossível manter uma produção no mesmo ritmo, assim é necessário que o estoque esteja relativamente cheio e dê conta de sustentar pelo menos parte da produção.

  • Inadimplência de clientes: G3   U3 T2

aqui, consideramos que nossa empresa seja de médio porte e que essa inadimplência seja de pouquíssimos clientes, assim o atraso em pagamentos não afeta tanto no nosso fluxo de caixa.

Com a pontuação fechada é hora de estabelecer as prioridades, para isso a conta é simples, basta multiplicar os valores dos elementos: G x U x T.

  • Atraso dos fornecedores: 4 x 4 x 5= 80
  • Inadimplência de clientes: 3 x 3 x 2= 18

Assim, o problema que necessita de uma solução prioritária é o atraso dos fornecedores.

(Foto: banco de imagens)

Depois de estabelecer as prioridades é hora de planejar as ações para resolver os problemas. Nessa hora, você pode utilizar outras ferramentas como o Ciclo PDCA e o 5W2H. De forma geral, a Matriz GUT é uma forma simples de organização em meio aos tantos problemas que aparecem quando se é um empreendedor, orientando um caminho que priorize as ações a serem tomadas.

Se você perceber que precisa de ajuda com custos para resolver alguns problemas, o ISF também pode te auxiliar. Reúna seu orçamento, acesse nossa plataforma e faça uma simulação. Em caso de dúvidas, entre em contato por meio dos nossos canais de atendimento.

SWOT: Conheça bem o seu negócio e prospere

Tomar decisões no seu negócio não é fácil, mas um bom começo é pensar na sua situação atual: abrir um novo negócio ou investir no meu atual? Capital próprio ou crédito? Considerar os prós e contras, avaliar o impacto para as pessoas próximas e para o mercado, entre outros fatores. É basicamente isso que propõe a Matriz SWOT, uma ferramenta que te auxilia a entender como o seu negócio está inserido no mercado e a partir daí te ajudar a planejar ações.

Matriz SWOT ou Análise SWOT, é uma sigla em inglês formada pelas iniciais das palavras: Streights, Weaknesses, Opportunities e Threats. Ao ser traduzida para o português, a ferramenta ganhou a sigla de FOFA: Forças, Oportunidades, Fraquezas e Ameaças, que são os elementos analisados pela matriz.

Dentro da matriz, esses quatro itens são divididos em: pontos positivos (forças e oportunidades) e pontos negativos (fraquezas e ameaças), além de fatores internos da empresa (forças e fraquezas) e fatores externos (oportunidades e ameaças).

Matriz Swot
(Foto: ISF Crédito)

Assim, sua análise deve começar pelo preenchimento dos quadrinhos, sempre trabalhando com perspectivas realistas, para isso, é bom que você conte com o auxílio de outras pessoas também envolvidas no seu negócio. Então vamos supor que você está começando um negócio de confeitaria, depois de um tempo produzindo em casa. Para facilitar essa lista, transforme os quatro pontos em perguntas:

  1. Quais os pontos fortes do seu negócio? Aqui são itens internos que te dão um diferencial em relação aos seus concorrentes. Então, seguindo o exemplo, podemos considerar que você tem o know-how, uma clientela que te conhece e uma localização favorável para as vendas.
  2. Quais seus pontos fracos? Aqui também consideramos suas fraquezas internas, oportunidades de melhoria. Pode ser por exemplo: falta de capital próprio, necessidade de contratação, matéria-prima com alto custo, etc.
  3. Quais as oportunidades do seu negócio? Para responder, analise o mercado de forma realista e identifique pontos que realmente favoreçam seu negócio, no formato que ele está no presente. Assim, no exemplo da confeitaria, as oportunidades canalizadas principalmente em dois pilares: o primeiro deles é a busca por praticidade, com a rotina corrida é mais fácil encomendar os alimentos prontos do que fazê-los em casa. O segundo é a característica personalizada do trabalho, as encomendas são feitas a partir do que o cliente deseja, dentre tendências como Gourmetização dos alimentos, assim por diante.
  4. Quais ameaças seu negócio? Liste problemas enfrentados pelo seu negócio no mercado que ele está inserido, considere questões como ações da concorrência. No caso da confeitaria, a quantidade de empresas no mesmo ramo que possuem uma estrutura maior é um exemplo de ameaça. Outros fatores vão além da concorrência de setor, como o estilo de vida saudável que tem cada vez mais conquistado as pessoas e, mesmo que isso seja bom por motivos óbvios de saúde, de certa forma diminui o consumo de doces, o principal produto do negócio. Isso é válido também para buscar alternativas de eliminar algumas ameaças transformando em oportunidades.
Matriz Swot
(Foto: Banco de Imagens)

Com os pontos preenchidos, faça uma análise geral e cruze os pontos, ou seja, como minhas forças podem me ajudar a aproveitar as oportunidades do mercado? Minhas fraquezas atrapalham minhas oportunidades, o que eu posso fazer para evitar isso? Como evitar que minhas fraquezas aumentem minhas ameaças? Minhas forças podem me ajudar a diminuir minhas fraquezas?

A partir de todas essas respostas, você consegue montar um plano de ação, com estratégias para alcançar oportunidades, potencializar forças, diminuir fraquezas e evitar ameaças. Se você perceber que precisa de ajuda com os custos, o ISF também pode te auxiliar. Buscamos soluções de crédito justas e customizadas para a sua empresa, acesse nossa plataforma e faça uma simulação. Em caso de dúvidas, entre em contato por meio dos nossos canais de atendimento.

Conheça uma maneira infalível de planejar ações na sua empresa

O nosso principal objetivo aqui no blog é trazer dicas úteis para empreendedores, para donos de empresa ou para quem planeja tirar seu negócio do papel. Nesse contexto, um dos pontos que não cansaremos de bater na tecla é o planejamento, e para te mostrar que esse item tão importante em uma empresa não é um bicho de sete cabeças hoje trazemos mais uma ferramenta para te auxiliar: o CICLO PDCA.

Planejando ações empresariais

O Ciclo PDCA é um método de gestão que controla ações de planejamento de forma contínua, por isso o “ciclo” no nome. Para começar a entender essa ferramenta, o primeiro passo é conhecer o significado da sigla formada por verbos que indicam as etapas de ação:

 

P de PLAN = planejar

D de DO = fazer, executar

C de CHECK = checar

A de ACTION = agir

 

  1. Planejar: esse é ponto de partida do ciclo e um dos mais importantes, pois é aqui que serão estabelecidos os objetivos e as ações para alcançá-los, além de estabelecer equipes e delegar funções. Assim, o plano deve ser bem elaborado, com base em informações e foco nos resultados que deseja alcançar.
  2. Executar: é hora de colocar tudo que foi planejado em ação seguindo o plano à risca, sem mudanças, pois mesmo possíveis erros são importantes para que o ciclo funcione e você vai entender o porquê nos próximos passos.
  3. Checar: é o momento de colher frutos e colocar tudo na mesa. Nesse passo, você deve comparar o plano e o resultado das ações, identificar os erros e quais pontos poderiam ter sido feitas de forma diferente.
  4. Agir: nessa “última” fase, os erros encontrados anteriormente são corrigidos e a partir disso é possível dar um novo início ao ciclo, retornando ao planejamento sem cometer os mesmos erros.

Então digamos que o dono de uma padaria queira diminuir os gastos mensais:

Ciclo PDCA

Basicamente, o Ciclo PDCA mostra que é sempre possível aperfeiçoar e desenvolver, continuamente, ações que já estão estabelecidas, mas para isso é necessário que o ciclo seja totalmente cumprido e de forma contínua. Além disso, você pode aliá-lo com outras ferramentas como a 5W2H, que já falamos aqui no blog.

Se, durante a execução de suas ações, você perceber que precisa de ajuda com os custos, o ISF também pode te auxiliar. Buscamos soluções de crédito justas e customizadas para a sua empresa, acesse nossa plataforma e faça uma simulação. Em caso de dúvidas, entre em contato por meio dos nossos canais de atendimento.

 

 

Aprenda uma forma incrível de organizar sua empresa

Já falamos muito sobre a importância de planejar, pensar estrategicamente e delegar tarefas aqui no blog. Hoje trazemos uma ferramenta que pode te ajudar a organizar tudo isso: a 5W2H. A sigla pode parecer estranha, mas nada mais é do que um sistema de perguntas em inglês:

Ferramente 5W2H

Trazendo-as para o português, utilizamos as seguintes perguntas:

Ferramenta 5W2H

A 5W2H é uma ferramenta muito versátil, pode ser utilizada para planejar cada detalhe da sua empresa, desde eventos à fluxos de trabalho. Sabendo o que significa, vamos para a aplicação dessa ferramenta. O primeiro passo é estabelecer a ação ou objetivo que deseja atingir e a partir disso lhe fazer as perguntas.

Então, digamos que você tem uma marca de roupas e o objetivo da sua empresa é lançar uma nova coleção de roupas, você terá várias ações à realizar até o lançamento, assim, cite cada uma delas com detalhes:

 

Ferramenta 5W2H

O ideal é que logo após a utilização dessa ferramenta seja feito um cronograma das ações com o período a serem realizadas. Através de uma planilha simples, você consegue deixar tudo mais claro para todos os envolvidos no projeto. Ex:

Ferramenta 5W2H

Como você viu, a 5W2H é uma ferramenta muito simples, mas que surte um grande efeito na sua empresa, caso ela já exista, ou te ajuda a tirar o negócio do papel. Isso acontece porque esse método proporciona um planejamento claro e eficaz, evitando dúvidas e perda de tempo e recursos ao longo do caminho, por exemplo.

Se, ao colocar seus planos na ferramenta, você perceber que precisa de ajuda com os custos, o ISF também pode te auxiliar. Reúna seu orçamento, acesse nossa plataforma e faça uma simulação. Em caso de dúvidas, entre em contato por meio dos nossos canais de atendimento.