4 ações infalíveis para reduzir os gastos da sua empresa

Controlar a vida financeira de uma empresa não é fácil, já que existem muitos elementos envolvidos nessa administração e por isso algumas vezes o resultado de todo esse processo é o descontrole das contas. Desse modo, no post de hoje trazemos 4 ações que vão te ajudar a diminuir os gastos do seu negócio e colocar as finanças no lugar.

4 AÇÕES INFALÍVEIS PARA REDUZIR OS GASTOS DA SUA EMPRESA
(Foto: banco de imagens)
  • Não faça cortes desenfreados, sem ter nenhum tipo de critério: isso pode prejudicar a empresa mais do que gastos altos, uma vez que retirar recursos de setores fundamentais, sem uma boa análise prévia, pode lesar o próprio desenvolvimento do negócio. Assim, planeje o corte a partir da sua planilha de gastos mensais, de modo que sua produção ou serviço não receba tanto impacto.
  • Renegocie dívidas: esse é um conselho sempre dado à pessoas físicas endividadas, mas renegociar as dívidas também ajuda as empresas, uma vez que pode diminuir, por exemplo, os juros pagos e consequentemente, os gastos mensais. Mas nesse caso, é importante se atentar à sua capacidade de cumprir o acordo feito, já que a renegociação de dívidas é uma ação que envolve confiança do banco com o cliente e também coloca em jogo a credibilidade da sua empresa e sua marca, no mercado financeiro.
  • Volte sua atenção aos fornecedores e ao seu estoque: como parte importante do funcionamento da sua empresa e consequentemente mobilizador de uma boa parte dos seus gastos, os fornecedores devem receber grande atenção. Atualize suas pesquisas de mercado, é possível que existam preços mais baratos dos produtos que você precisa; se o caso for a relação de confiança com o seu fornecedor, utilize esses dados para negociar com ele e abaixar os preços. Nesse mesmo cenário, se atente ao seu estoque e reorganize seus pedidos, por exemplo, diminuindo as quantidades dos produtos que têm menos saída, evitando o prejuízo de itens parados ou fora da validade.
4 AÇÕES INFALÍVEIS PARA REDUZIR OS GASTOS DA SUA EMPRESA
(Foto: Banco de imagens)
  • Conte com a sua equipe: a diminuição de gastos deve ser feita por todos da empresa, assim compartilhe os planos com sua equipe, eles são de grande ajuda nesse processo, uma vez que estão diretamente ligados ao funcionamento da empresa. Eles podem ajudar a partir de ações simples como diminuir o uso de papel com a digitalização de documentos, não deixar aparelhos eletrônicos ligados na tomada sem uso, aproveitar a luz do sol ao invés de utilizar as luzes e usar garrafinhas no lugar de copos descartáveis. Entretanto, é sempre bom utilizar o bom senso ao propor esses cortes à sua equipe, de forma que o trabalho dos mesmos não seja prejudicado.

Além disso, é importante manter todos os gastos e receitas envolvidos no funcionamento da sua empresa, na ponta do lápis e o fluxo de caixa é uma ferramenta fundamental, já te ensinamos a organizá-la neste artigo.

Se você perceber que o seu negócio precisa de ajuda, o ISF te auxilia como seu guia financeiro, encontrando a melhor solução de crédito para capital de giro e investimentos em sua empresa.  Acesse nossa plataforma e faça uma simulação: www.isfcredito.com.br. Em caso de dúvidas, entre em contato com nossos canais de atendimento

Como calcular o capital de giro da sua empresa

Capital de Giro. Se você é um empreendedor, com certeza conhece e sabe da importância dessas palavras para sua empresa. Colocando de forma simples, esse é o dinheiro necessário para fazer a empresa funcionar no dia a dia, isso envolve gastos como produção e comercialização, como estoque, caixa, vendas e fornecedores.

Como calcular o capital de giro da sua empresa
(Foto: banco de imagens)

Para calcular o capital de giro é necessário entender que, financeiramente, ele é composto por dois elementos:

  • ativo circulante: são os valores que entram na empresa e estão, basicamente, ligados ao recebimento de pagamentos dos clientes, investimentos e caixa.
  • passivo circulante: é a quantia de dinheiro que sai da empresa, abarcando, principalmente, contas a pagar (funcionários, água, luz, internet, …) e fornecedores.

CG = AC – PC

(capital de giro) = Ativo circulante – Passivo Circulante

Nesse contexto, é importante lembrar de um fator significativo para alguns tipos de negócio, o estoque. Ele é uma forma de imobilização do seu dinheiro, ou seja, um investimento que fica parado na expectativa de dar retorno assim que o estoque seja vendido.

Assim, a conta passa a ser feita com mais um elemento:

CG= AC – PC + E

(capital de giro) = Ativo circulante – Passivo Circulante + Estoque

Como calcular o capital de giro da sua empresa
(Foto: banco de imagem)

Aplicando essas fórmulas com valores. Vamos supor que suas despesas somam uma quantia de R$18mil (PC) e as contas que tem para receber contabilizam R$35mil (AC). Assim, o valor de seu capital de giro líquido deve ser:

CG = AC – PC CG = R$35mil – R$18mil = R$17mil

 

Agora, consideremos que sua empresa precise de estoque e ele mobilize um valor de R$15mil. Seu capital de giro deve alcançar o valor de:

CG= AC – PC + E CG = R$35mil – R$18mil + R$15mil = R$32mil

 

Calcular o valor do capital de giro é um dos primeiros passos no difícil caminho de administrar esse dinheiro, de forma a manter sua empresa funcionando de forma ideal e saudável.  Se você perceber que precisa de ajuda com seu capital de giro, o ISF também pode te auxiliar. Reúna seu orçamento, acesse nossa plataforma e faça uma simulação. Em caso de dúvidas, entre em contato por meio dos nossos canais de atendimento.

Classifique e priorize com rapidez os problemas da sua empresa

Um dos nossos objetivos neste blog é dar dicas que te ajudem a fazer uma administração inteligente do seu negócio. Assim, de tempos em tempos trazemos ferramentas focadas nisso, para que você encontre aquela com que mais se identifica e se aplique no seu negócio.

No post de hoje, te apresentamos a Matriz GUT. O nome da matriz é uma sigla para Gravidade, Urgência e Tendência, os elementos trabalhados nessa ferramenta que te ajuda a priorizar os problemas da sua empresa, ou seja, a partir de sua aplicação você consegue classificar as questões que estão te tirando o sono a partir da gravidade de cada uma, da urgência que elas demandam e qual a tendência de piorar. Assim, basicamente, você estabelece prioridades.

(Foto: banco de imagens)

De forma mais profunda, vamos passar por cada um dos elementos da Matriz:

  • Gravidade: indica o impacto que esse problema, se não for resolvido, terá na sua empresa, funcionários e clientes. Essa análise pode ser qualitativa, o fato de o problema causar a queda de qualidade dos seus produtos, por exemplo, ou quantitativa, como provocar prejuízos. Para classificar a gravidade, usa-se uma pontuação de 1 a 5, onde:

1: sem gravidade

2: pouco grave

3: grave

4: muito grave

5: extremamente grave

  • Urgência: está relacionada ao tempo viável e disponível para a resolução do problema, assim, quanto menor o tempo, maior a urgência. Para classificar a urgência, também existe uma pontuação de 1 a 5:

1: pode esperar

2: pouco urgente

3: o mais rápido possível

4: é urgente

5: ação imediata

 

  • Tendência: trata-se da probabilidade do problema crescer e piorar ao longo do tempo. Essa é uma análise um pouco mais intuitiva do que os outros elementos já que é necessário fazer uma projeção do que pode acontecer se o problema não for resolvido. Assim como os outros, a classificação da tendência também tem uma pontuação de 1 a 5:

1: não muda nada

2: piora a longo prazo

3: piora

4: piora a curto prazo

5: piora rapidamente

(Foto: banco de imagens)

Agora que você sabe o que e como analisar, vamos ao passo a passo de montar a matriz. A primeira coisa é listar todos os problemas, então imaginemos que nossa empresa tem as seguintes questões: atraso dos fornecedores e inadimplência de clientes.

O próximo passo é classificar esses problemas dentro dos três elementos:

  • Atraso dos fornecedores: G4   U4 T5

sem os produtos dos fornecedores é impossível manter uma produção no mesmo ritmo, assim é necessário que o estoque esteja relativamente cheio e dê conta de sustentar pelo menos parte da produção.

  • Inadimplência de clientes: G3   U3 T2

aqui, consideramos que nossa empresa seja de médio porte e que essa inadimplência seja de pouquíssimos clientes, assim o atraso em pagamentos não afeta tanto no nosso fluxo de caixa.

Com a pontuação fechada é hora de estabelecer as prioridades, para isso a conta é simples, basta multiplicar os valores dos elementos: G x U x T.

  • Atraso dos fornecedores: 4 x 4 x 5= 80
  • Inadimplência de clientes: 3 x 3 x 2= 18

Assim, o problema que necessita de uma solução prioritária é o atraso dos fornecedores.

(Foto: banco de imagens)

Depois de estabelecer as prioridades é hora de planejar as ações para resolver os problemas. Nessa hora, você pode utilizar outras ferramentas como o Ciclo PDCA e o 5W2H. De forma geral, a Matriz GUT é uma forma simples de organização em meio aos tantos problemas que aparecem quando se é um empreendedor, orientando um caminho que priorize as ações a serem tomadas.

Se você perceber que precisa de ajuda com custos para resolver alguns problemas, o ISF também pode te auxiliar. Reúna seu orçamento, acesse nossa plataforma e faça uma simulação. Em caso de dúvidas, entre em contato por meio dos nossos canais de atendimento.

Entenda de uma vez o que é e como uma fintech pode te ajudar

A palavra “Fintech” pode parecer estranha, mas esse novo tipo de empresa vem mudando algumas estruturas do mercado financeiro que estão diretamente ligadas à você. Resultado da junção entre as palavras financial e technology, finanças e tecnologia, essas empresas criam inovações na forma de lidar com as finanças, tornando seus serviços mais eficientes e com menos burocracia.

(Foto: banco de imagens)

Atualmente existem vários tipos de fintechs trabalhando para transformar um pouco do que conhecemos ou conhecíamos. Exemplo disso são os bancos digitais, em que já é possível criar uma conta em um banco por meio de um aplicativo e ter todas as suas transações realizadas por meio da internet, evitando filas e deslocamento.

Outro destaque no setor das fintechs são as empresas ligadas ao crédito que, com a regulamentação do Banco Central, podem ofertar crédito sem passar pelos Bancos utilizando apenas suas plataformas digitais. Na prática isso aumenta a concorrência ajudando na diminuição dos juros.

(Foto: Banco de imagens)

É assim, unindo a tecnologia de inteligências artificiais e inovações disruptivas, que as fintechs têm realizado mudanças no mercado financeiro, atendendo à demandas de um público cada vez mais exigente e em busca de praticidade. O ISF é uma dessas empresas, atuando como fintech de crédito. Trabalha como seu guia financeiro, buscando em todo o mercado financeiro as melhores soluções de crédito para colocar suas ações em prática. Entre em nossa plataforma e faça uma simulação. Em caso de dúvidas, entre em contato com nossos canais de atendimento.

 

O que você precisa saber antes de abrir uma franquia

Se você sempre quis abrir um negócio próprio, mas não sabe por onde começar, optar por uma franquia pode ser uma boa saída. O setor é um dos que mais crescem no Brasil, só em 2017 o faturamento atingiu mais de R$ 163 bilhões, um crescimento de 8% sobre o resultado de 2016. Para esse ano, de acordo com a Associação Brasileira de Franchising (ABF), a expectativa é que volte a crescer mais de 10%.

O fato é que o mercado é grande e está em expansão, mas como se inserir nele? O primeiro passo é escolher o setor de atuação, para isso é necessário conhecer a si mesmo, seu perfil de interesses e o cenário no qual você deseja atuar, ou seja, sua cidade e região. As opções de segmento para atuação são extensas, segundo a ABF, as 50 maiores franquias do Brasil estão distribuídas em alimentação, serviços educacionais, saúde, beleza e bem-estar, serviços automotivos e moda.

(Foto: banco de imagem)

Antes disso, é importante que a pessoa analise minunciosamente seu perfil empreendedor, se é de abrir um negócio próprio começando do zero ou optar por investir em uma franquia. Por exemplo, é comum que as pessoas interessadas em investir num negócio próprio busquem mais liberdade e quem quer um negócio com a sua cara e o seu jeito deve buscar esse modelo.
No caso das franquias, são empresários interessados em modelos prontos e testados, que já são referência no mercado. É bem viável para quem acha tranquilo seguir regras e não vê problemas em acompanhar uma estratégia traçada.
Após analisar tudo isso e com a escolha do setor feita, é hora de eleger a franquia. Aqui, alguns pontos devem ser levados em conta:

  1. Situação financeira: é preciso ter em mente que será necessário investir no negócio e, como qualquer outro, seu retorno não será imediato. Assim, contabilize seu capital próprio e pense nas possibilidades de crédito.
  2. Estude: entenda a marca, seu histórico e tudo que envolve seus fundadores e o mercado. Coloque no papel os valores envolvidos nesse processo, ou seja, investimento inicial, taxa de franquia e tempo de retorno.
  3. Converse: não tenha vergonha de conversar com outros franqueados, pergunte sobre suas impressões da rede, visite os estabelecimentos, conheça opiniões positivas e negativas, de quem já está no setor.

    (Foto: banco de imagem)

Após eleger a franquia, é hora de fechar o contrato, um ponto que exige extrema atenção, nele estão seus direitos e deveres, entenda as responsabilidades de cada parte e não hesite em pedir ajuda a um advogado.

Toda franqueadora tem alguns pré-requisitos para determinar se o possível  franqueado da sua rede está apto à ser um investidor de sucesso, é como se fosse um processo seletivo. Reunimos aqui as principais exigências da maioria das Franqueadoras, ou seja, o perfil ideal de franqueado para elas:

  • Identificação e/ou experiência com o segmento escolhido
  • Dedicação Integral à Franquia
  • Ter perfil de Gestor e ser responsável pela qualidade do atendimento
  • Capacidade de investimento com recursos próprios ou organização financeira para investimento com capital de terceiros.
  • Ter conhecimentos administrativos e na área de marketing

Se você se identificou com o perfil de franqueado e precisa de ajuda para abrir sua franquia, o ISF Crédito te auxilia. Como seu guia financeiro ajudamos a encontrar a melhor solução para você. Acesse nossa plataforma e faça uma simulação.

SWOT: Conheça bem o seu negócio e prospere

Tomar decisões no seu negócio não é fácil, mas um bom começo é pensar na sua situação atual: Abrir um novo negócio ou investir no meu atual? Capital próprio ou crédito? Considerar os prós e contras, avaliar o impacto para as pessoas próximas e para o mercado, entre outros fatores. É basicamente isso que propõe a Matriz SWOT, uma ferramenta que te auxilia a entender como o seu negócio está inserido no mercado e a partir daí te ajudar a planejar ações.

Matriz SWOT ou Análise SWOT, é uma sigla em inglês formada pelas iniciais das palavras: Streights, Weaknesses, Opportunities e Threats. Ao ser traduzida para o português, a ferramenta ganhou a sigla de FOFA: Forças, Oportunidades, Fraquezas e Ameaças, que são os elementos analisados pela matriz.

Dentro da matriz, esses quatro itens são divididos em: pontos positivos (forças e oportunidades) e pontos negativos (fraquezas e ameaças), além de fatores internos da empresa (forças e fraquezas) e fatores externos (oportunidades e ameaças).

(Foto: ISF Crédito)

Assim, sua análise deve começar pelo preenchimento dos quadrinhos, sempre trabalhando com perspectivas realistas, para isso, é bom que você conte com o auxílio de outras pessoas também envolvidas no seu negócio. Então vamos supor que você está começando um negócio de confeitaria, depois de um tempo produzindo em casa. Para facilitar essa lista, transforme os quatro pontos em perguntas:

  1. Quais os pontos fortes do seu negócio? Aqui são itens internos que te dão um diferencial em relação aos seus concorrentes. Então, seguindo o exemplo, podemos considerar que você tem o know-how, uma clientela que te conhece e uma localização favorável para as vendas.
  2. Quais seus pontos fracos? Aqui também consideramos suas fraquezas internas, oportunidades de melhoria. Pode ser por exemplo: falta de capital próprio, necessidade de contratação, matéria-prima com alto custo, etc.
  3. Quais as oportunidades do seu negócio? Para responder, analise o mercado de forma realista e identifique pontos que realmente favoreçam seu negócio, no formato que ele está no presente. Assim, no exemplo da confeitaria, as oportunidades canalizadas principalmente em dois pilares: o primeiro deles é a busca por praticidade, com a rotina corrida é mais fácil encomendar os alimentos prontos do que fazê-los em casa. O segundo é a característica personalizada do trabalho, as encomendas são feitas a partir do que o cliente deseja, dentre tendências como Gourmetização dos alimentos, assim por diante.
  4. Quais ameaças seu negócio? Liste problemas enfrentados pelo seu negócio no mercado que ele está inserido, considere questões como ações da concorrência. No caso da confeitaria, a quantidade de empresas no mesmo ramo que possuem uma estrutura maior é um exemplo de ameaça. Outros fatores vão além da concorrência de setor, como o estilo de vida saudável que tem cada vez mais conquistado as pessoas e, mesmo que isso seja bom por motivos óbvios de saúde, de certa forma diminui o consumo de doces, o principal produto do negócio. Isso é válido também para buscar alternativas de eliminar algumas ameaças transformando em oportunidades.
(Foto: Banco de Imagens)

Com os pontos preenchidos, faça uma análise geral e cruze os pontos, ou seja, como minhas forças podem me ajudar a aproveitar as oportunidades do mercado? Minhas fraquezas atrapalham minhas oportunidades, o que eu posso fazer para evitar isso? Como evitar que minhas fraquezas aumentem minhas ameaças? Minhas forças podem me ajudar a diminuir minhas fraquezas?

A partir de todas essas respostas, você consegue montar um plano de ação, com estratégias para alcançar oportunidades, potencializar forças, diminuir fraquezas e evitar ameaças. Se você perceber que precisa de ajuda com os custos, o ISF também pode te auxiliarBuscamos soluções de crédito justas e customizadas para a sua empresa, acesse nossa plataforma e faça uma simulação. Em caso de dúvidas, entre em contato por meio dos nossos canais de atendimento.

Endomarketing: 5 regras para uma boa comunicação interna

Posicionamento no mercado e crescimento são alguns dos temas principais que abordamos aqui no blog. Na verdade, a nossa intenção é te ajudar a alcançar seus objetivos, estabelecendo sua empresa de forma bem-sucedida, mas é importante pontuar que para que o sucesso externo seja plenamente alcançado, o desenvolvimento interno de seu negócio é de suma importância.

(Foto: banco de imagens)

Assim, no post de hoje, vamos falar de Endomarketing. A palavra pode ser estranha, mas nada mais é do que ações de marketing voltadas para a empresa em si, com foco no ambiente empresarial e nos colaboradores.

O endomarketing busca estratégias que motive, aumente a produtividade e torne o ambiente saudável para seus funcionários. Todos esses elementos refletem no desempenho de sua empresa, uma vez que são seus colaboradores que carregam a camisa do seu negócio, são responsáveis pelo lucro, pelo contato com o cliente e por manter sua empresa funcionando para alcançar metas e objetivos.

No desenvolvimento das estratégias de endomarketing, o setor de Recursos Humanos tem grande participação pois é ele quem pode fornecer uma análise da equipe, com informações como perfil e comprometimento. Assim, o departamento de comunicação saberá a melhor forma de abordagem pra qualquer campanha interna.

5 Passos para motivar o crescimento da sua empresa
(Foto: banco de imagens)

Bom, que criar ações de endomarketing traz diversos benefícios para a sua empresa ficou claro, mas como fazer isso? A gente traz cinco pontos importantes:

1 Canal de comunicação interna: é quase um SAC interno da empresa, onde o funcionário pode falar e receber uma resposta. Além disso, por meio desse canal, você pode passar informações importantes, conteúdos e notícias. Envolva-os no que está sendo feito na área de marketing e comunicação.

2 Desenvolva os funcionários dentro dos princípios da empresa: Missão, visão e valores não servem apenas para serem expostos,  precisam ser vivenciados no dia a dia do seu negócio. Escolha seu time pensando nessa identificação, para que eles realmente estejam motivado a querer chegar onde a sua empresa quer chegar. Esse também é um processo de mão dupla, então conheça seus colaboradores e qual a imagem que eles têm da empresa, pergunte o que pode ser melhorado, cuide pra que mudanças sejam feitas se necessário e seja sempre o exemplo dessa motivação.

3 Integre seus funcionários: promova palestras, exercícios em grupo e até happy hours, isso ajuda a manter o ambiente motivado e seu funcionário satisfeito.

4 Reconhecimento: esse talvez seja o principal ponto para um funcionário satisfeito e motivado, valorize o trabalho e dê benefícios. Criar Indicadores de desempenho para que os benefícios sejam justos, oferecer prêmios como ingressos para cinema ou ações que melhorem a qualidade de vida, são exemplos.

5 Para terminar é importante avaliar o ambiente, saber se está todas as ações estão dando resultado e, assim como deve ser feito com as estratégias de mercado, fazer mudanças se for necessário.

Além dessas dicas, o ISF pode te ajudar como seu guia financeiro, auxiliando na melhor solução de crédito para colocar suas ações em prática. Entre em nossa plataforma e faça uma simulação. Em caso de dúvidas, entre em contato com nossos canais de atendimento.
(Foto: banco de imagens)

Enfim, ter um ambiente motivador e que promova a satisfação, traz pontos positivos para a saúde e a vida de seu funcionário, ao mesmo tempo que contribui para o crescimento de seu negócio. Para organizar essas ações, algumas ferramentas podem ser úteis, uma delas é a 5W2H, que já falamos aqui no blog.

Além dessas dicas, o ISF pode te ajudar como seu guia financeiro, auxiliando na melhor solução de crédito para colocar suas ações em prática. Entre em nossa plataforma e faça uma simulação. Em caso de dúvidas, entre em contato com nossos canais de atendimento.

Simples Nacional: Governo estabelece regras para refinanciamento de dívidas

Na última segunda-feira, o governo regulamentou a lei que estabelece o refinanciamento e parcelamento das dívidas tributárias para micro e pequenas empresas cadastradas no Simples Nacional, o Refis para PMEs. Para serem beneficiadas pelo programa, as empresas têm até o dia 9 de julho para fazerem a adesão, seguindo o processo a ser estipulado pela Receita Federal, Procuradoria-Geral da Fazenda, estados e municípios.

Refis 2018
(Foto: Banco de imagens)

O texto divulgado pelo governo estabelece condições, por exemplo, o refinanciamento é voltado para empresas com débito no Simples Nacional até novembro de 2017 e só passa a ter o parcelamento válido após o pagamento de 5% da dívida, como entrada.

De forma resumida o programa vai funcionar da seguinte maneira:

  • Pagamento de 5% do valor da dívida corrigido pela taxa básica de juros, em até cinco parcelas, a partir do mês de adesão.
  • Os outros 95% poderão ser pagos:

Integralmente, com redução de 90% dos juros de mora, 70% das multas de mora e ainda 100% dos encargos legais;

Parcelado em até 145 vezes, com redução de 80% dos juros de mora, 50% das multas de mora e ainda 100% dos encargos legais;

Parcelado em até 175 vezes, com redução de 50% dos juros de mora, 25% das multas de mora e 100% dos encargos legais;

  • Microempreendedores individuais terão parcela mínima de R$50,00, já para as demais empresas o valor é a partir de R$300,00.

Se você se encaixa nas condições estipuladas pela Lei, fique atento à data de adesão.  E, caso precise de crédito,  para organizar seu fluxo de caixa, o ISF também pode te ajudar. Reúna suas despesas, acesse nossa plataforma e faça uma simulação. Em caso de dúvidas, entre em contato por meio dos nossos canais de atendimento.

Fonte: Governo do Brasil, com informações do Diário Oficial da União e Portal G1.

Burocracia: documentações necessárias para abrir um negócio

O Brasil é um dos países com maior burocracia no momento de abrir uma empresa, são muitos documentos e processos que podem confundir um empreendedor. É por isso que no post de hoje, trazemos uma lista das principais licenças que você vai precisar na hora de tirar sua empresa do papel.

(Foto: banco de imagens)

Com o plano da empresa em mãos, o primeiro passo é verificar junto à Prefeitura a disponibilidade de abrir o seu tipo de negócio na área que você planejou. Dependendo do seu ramo de atuação, o local no qual você pretende abrir o empreendimento não é o ideal ou não tem permissão para tal.

Outra consulta prévia é relacionada ao nome da empresa, verifique se ele já está registrado na Junta Comercial. Caso esteja disponível aproveite para registrá-lo, mas se ele já existir busque outra forma de identificação, mas não se esqueça de registrar na Junta Comercial. É nela também, que se obtém o Número de Identificação do Registro de Empresas (NIRE), que comprova, oficialmente, a existência da empresa.

Junto a esse processo existe também a abertura do Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas, o CNPJ, que é feita no sistema da Receita Federal .  Ainda nessa mesma linha de registros, são necessários realizar:

Inscrição Estadual: para empresas que comercializam produtos, licença que permite a circulação de mercadorias e é emitida na Secretaria da Fazenda estadual

Inscrição Municipal: destinada a para empresas que prestam serviços, ela autoriza a atividade dentro do município e é emitida pela Secretaria da Fazenda municipal.

Burocracia
(Foto: banco de imagens)

Além de todos esses registros, você deve se atentar às licenças para, literalmente, abrir as portas do seu negócio. Alguns dos mais importantes são:

1 – Alvará de funcionamento: está associado a uma avaliação física, ou seja, ele aprova o funcionamento de seu empreendimento no local escolhido e sem esse documento a empresa não pode funcionar. A emissão desse documento é feita pela Prefeitura, que também fiscaliza os cumprimentos de regras.

2 – Registro ou Licença da Vigilância Sanitária: é um documento necessário a estabelecimentos cujo serviço, está direta ou indiretamente, associado à saúde. Em Uberlândia, essa licença é concedida pela Prefeitura Municipal que disponibiliza mais informações e orientações em seu site.

4 – Certificado de Conformidade do Corpo de Bombeiros: também conhecido como Alvará do Corpo de Bombeiros, é o documento que atesta a regularidade da instalação quanto às normas de prevenção e combate a incêndios. Sua emissão é feita pelo Corpo de Bombeiros.

Por fim, existem mais dois passos burocráticos necessários para a sua empresa: o cadastro da empresa e dos responsáveis na Previdência Social realizado em Agências da Previdência e o Aparato Fiscal, uma permissão para emitir notas fiscais que é dada pela Prefeitura ou, no caso de empresas relacionadas à indústria e ao comércio, pela Secretaria de Estado da Fazenda.

(Foto: Banco de imagens)

Sabemos que são muitos os documentos para se preocupar, por isso que quando o assunto é crédito e investir no seu negócio, o ISF é seu guia financeiro, uma preocupação a menos nesse processo para abrir um negócio. Acesse nossa plataforma online e faça uma simulação. Em caso de dúvidas entre em contato com nossos canais de atendimento.

Comprar ou alugar a sede da sua empresa?

Se você é um empreendedor e está prestes a tirar o seu negócio do papel, certamente, uma das centenas de questões que passaram pela sua cabeça foi: é melhor alugar ou comprar minha sede? Pois bem, no post de hoje trazemos os prós e os contras das duas opções, para te ajudar a tomar a sua decisão.

Comprar ou alugar
Foto: banco de imagens

O primeiro passo para escolher entre alugar ou comprar a sua sede é ter uma visão geral e real da sua situação, conhecendo as possibilidades de gasto diante da quantia que você tem à disposição para investir. Com isso pensado, vamos aos prós e contras:

ALUGAR

Prós: O principal fator positivo em se alugar uma sede é a certeza de que você está aberto a experiências, ou seja, o seu negócio está começando, mesmo que tenha feito uma boa pesquisa de mercado, tudo pode acontecer se o seu negócio for novo para você e o público também. Caso aconteça que depois de um tempo você perceba que aquele lugar não é o ideal para o seu tipo de empresa e a melhor opção é mudar de localização,  o aluguel é mais fácil de ser desfeito do que a venda de um ponto.

Contra: Assim como o contrato de aluguel pode te ajudar quando a sua necessidade for se mudar, ele pode ser um fator negativo, pois você depende do locador e, nessa relação, algumas situações podem ser problemáticas, como o prazo do aluguel acabar e o locador não querer renovar, ou apenas aceitar a renovação diante de um aumento no valor das parcelas.

Comprar ou alugar
Foto: banco de imagens

COMPRAR

Prós: Ao comprar um imóvel ele se torna um patrimônio da sua empresa, um investimento que está disponível para reformas que favoreçam o funcionamento do seu negócio, uma liberdade de mudanças que não ocorre quando se aluga um local. A busca de crédito para capital de giro ou investimentos no seu negócio nesse caso também é facilitada, sendo que os juros e  prazos de um empréstimo com imóvel em garantia são bem melhores (falamos mais sobre esse tipo de operação neste post).

Contra: Por ser um investimento, a compra da sua sede significa a imobilização de uma grande quantia de dinheiro, que pode ser usada para outras questões nesse começo de empresa, como, por exemplo, capital de giro, um elemento imprescindível.

Como dissemos antes, tudo depende da sua situação financeira, mas uma coisa você deve ter em mente: quanto menor for o investimento para que você valide o seu negócio, menor é o risco que você corre.

Comprar ou alugar
Foto: banco de imagens

Se mesmo assim, você ainda não souber qual opção escolher, então considere algumas dicas do ISF:

– Compre sua sede só quando o negócio já estiver maduro e você tiver certeza de que aquele é o ponto certo, por exemplo;

– Use seu capital próprio para o capital de giro no início, pois assim você consegue testar a operação;

– Quando você já tiver certeza do desenvolvimento do seu negócio e decidir comprar sua sede use o capital de terceiros, pois eles normalmente têm prazos longos, carência e o custo financeiro muito baixo;

– Um bom projeto é aquele que seu resultado paga a conta de seu financiamento.

Independente da sua escolha lembre-se que buscamos soluções de crédito justas e customizadas através de vários parceiros, então acesse nossa plataforma online e faça uma simulação. Em caso de dúvidas entre em contato com nossos canais de atendimento.