Como abrir uma franquia?

As franquias são famosas em todos os lugares do mundo, além de existirem em diversos segmentos, é possível encontrar franquias de restaurantes, lojas de roupa, joalherias, lojas de móveis, entre outras. O investimento em franquias acaba sendo um pouco mais seguro por já ser um mercado “consolidado” , unindo o desejo de ter o próprio negócio com algo que já foi testado pelo mercado e teve sucesso. Contudo, como em qualquer negócio, é preciso ter cautela e atenção, por isso separamos algumas dicas de como funciona o processo para abrir uma franquia.

Antes de tudo, é preciso saber se você tem as características que a marca procura, como: espírito empreendedor, capacidade de gestão de crise, disposição para trabalhar, se você possui o investimento inicial necessário, entre outros. Todos esses pontos são relevantes para marca que procura alguém que siga as regras da franqueadora e que vão de acordo com o que a marca representa.

Atualmente, existem oportunidades para qualquer tipo de investidor, desde aqueles com menor poder aquisitivo até os que já possuem um grande capital. É preciso lembrar que além do investimento inicial, também existem taxas e, às vezes, royalties. O custo também vai depender do formato do negócio, algumas franqueadores permitem que as franquias possam trabalhar com lojas pequenas e grandes, quiosques, franquias móveis, entre outros.

Agora que você já sabe o básico sobre como funciona uma franquia está na hora de entender, resumidamente, como o passo-a-passo funciona.

Cadastro

Depois de decidir qual será o segmento que você quer sua franquia e decidir qual franqueado será o escolhido, está na hora de realizar o cadastro. Normalmente é possível encontrar a aba de franquia no próprio site da franqueada, assim, é preciso preencher a ficha de cadastro, por meio desta ficha a marca irá avaliar o perfil do candidato.

A primeira reunião

Caso seu perfil seja aprovado, a marca irá chamá-lo para uma reunião em que será apresentada a proposta da franquia, além de trazer todas as informações relevantes sobre a empresa e o processo, como: valores a serem pagos, como é o treinamento, se há alguma obrigação que deve ser seguida, entre outros. É nesse momento também que você poderá tirar suas dúvidas, não perca a oportunidade de perguntar o que quiser sobre o processo.

Conhecendo a franquia

É comum que a marca ofereça uma lista com o contato de todos os seus franqueados, assim, é possível escolher algumas unidades e visitá-las, assim, você poderá observar como funciona a franquia de perto e conversar com os donos e funcionários das franquias. Lembrando que durante todo esse processo, o investidor interessado não precisa pagar nenhuma taxa.

Contrato

Depois de avaliar a proposta da marca, de conversar com outros donos e conhecer outras franquias, está na hora de fechar o contrato. Esta é uma das partes mais importante e que pede uma cautela e cuidado maior. Assim, uma boa opção é contratar um advogado de confiança que esteja acostumado com este tipo de trabalho.  Junto com ele, avalie minuciosamente todas as cláusulas para entender como tudo funcionará.

Apesar dessas cláusulas serem padronizadas, com pouca margem de mudança, ainda é interessante fazer essa avaliação e tentar negociar alguns pontos, caso não esteja totalmente seguro do contrato.

Depois de fechar o contrato o franqueado recebe um cronograma com os próximos passos. Lá você terá acesso a todos os prazos que tem até a abertura da empresa, como: tempo para reforma, contratação de equipe, implementação do sistema, entre outros. Em geral todo esse processo leva cerca de 120 dias.

Escolhendo o local da franquia

Às vezes a marca ajuda na escolha de um ponto e às vezes deixa por conta do franqueado, mas nesse caso, a marca pede para aprovar a localização. Procure por um imóvel que esteja localizado em um bom bairro, com alto fluxo de pessoas e que permita obras, assim será mais fácil conseguir o alvará da prefeitura.

Uma boa opção no começo é alugar um local, procure por um acordo com prazo determinado, como, por exemplo, de cinco anos, que é a duração da maioria dos contratos de franquia. Provavelmente será preciso fazer uma reforma, então é possível tentar negociar um desconto no aluguel devido às melhorias que serão feitas.

Preparando para inauguração

Após assinar o contrato e achar um local, é preciso abrir uma empresa, também conhecido como CNPJ, para cumprir as cumprir obrigações fiscais e trabalhistas. Feito isso, está na hora do treinamento, tanto os funcionários quanto você, dono da franquia, devem aprender todos os processos e seguir os padrões da rede. Além disso, é nesse momento que são tiradas todas as dúvidas.

Inauguração

Agora tudo está pronto, a equipe está preparada e chegou o dia de abrir a loja. Dê o seu melhor, motive sua equipe e sempre conte com o apoio de donos de outras unidades e do franqueador. E lembre-se de sempre pagar as taxas mensais de royalties e de publicidade.

Resumindo, o processo para comprar uma franquia não é tão complicado, mas demanda muito cuidado e atenção. Entenda tudo sobre franquia, pesquise, tire dúvidas, faça tudo com calma e se prepare para o trabalho. Agora que você já sabe tudo sobre o processo para abrir uma franquia está na hora de colocar em prática. O ISF possui linhas de crédito especiais, com taxas menores e prazos maiores, estamos aqui para te ajudar a realizar o sonho de ter sua própria franquia, conheça nossos serviços aqui.

O guia definitivo do capital de giro

O número de empresas vem crescendo cada vez mais em todo o mundo, muitas acabam falindo por não saberem fazer a gestão correta do negócio ou por não terem um entendimento amplo do mercado e de tudo que é necessário para uma empresa ter sucesso. Por isso, é tão importante conhecer as melhores estratégias para melhorar seu negócio e garantir que ele triunfe. Uma parte importante na hora de estruturar sua empresa é garantir o capital de giro, neste artigo vamos explicar tudo sobre isso, o que é, como utilizá-lo, sua importância, ou seja, um guia sobre capital de giro.

O que é capital de giro?

O capital de giro é um dinheiro que fica sempre circulando na empresa, como se fosse uma reserva pronta para ser usada a qualquer momento para arcar com os custos e despesas fixos e variáveis.

Ou seja, é nada mais que os recursos financeiros em estoque, os investimentos líquidos, saldo em contas bancárias, pagamentos a receber, ou qualquer outra coisa que possa ser utilizado para o pagamento de obrigações de negócios, para manutenção e funcionamento da empresa. Logo, ele é diferente do investimento fixo, que seria toda estrutura da empresa como móveis, equipamentos, máquinas, entre outros.

Importância do capital de giro –

O capital de giro tem uma importância muito grande dentro da empresa já que garante a saúde financeira do seu negócio, possibilitando, manter os estoques, oferecer vendas a prazo para seus clientes, assegurando o pagamento de fornecedores, pagamento de impostos e salários, entre outros.

Além disso, ele é essencial durante os períodos de sazonalidade, que são aqueles meses em que o volume de vendas é menor, assim, caso não seja possível vender bem em um determinado mes, o capital de giro assegura que a empresa continue estável durante esse período, possibilitando que continue funcionando normal, pagando os funcionários e contas em dia.

Ou seja, quanto maior for o capital de giro, maior será o tempo que a empresa poderá se manter em atividade, mantendo tudo funcionando e em dia, sem atrasos, para isso é preciso que seu capital de giro seja num valor que possibilite que a empresa continue por 6 meses apenas com ele. Isso traz uma boa segurança para o seu negócio.

Como calcular o capital de giro?

É fácil calcular o capital de giro da sua empresa. Primeiro você precisa saber qual o valor do seu passivo circulante (PC), que nada mais é do que todas as despesas e custos fixos do seu negócio como contas a pagar, fornecesores, salários, aluguel, entre outros. Depois será preciso saber qual é o valor do seu ativo circulante (AC) que seria todos os recursos disponíveis ou que possam ser convertidos em liquidez, como saldo em conta bancária, aplicações, valores a receber, entre outros.

Assim, tendo esses valores é mãos é simples de fazer o cálculo, você deve subtrair o passivo circulante (PC) do ativo circulante (AC), como na expressão abaixo:

CGL = AC – PC

Como usar?

O primeiro passo é identificar e cortar gastos, assim, é possível ter um melhor controle do fluxo do caixa e das finanças da empresa, proporcionando uma melhor distribuição do capital de giro. É importante lembrar que sempre que utilizar uma quantia do capital de giro, ela deve ser recolocada o quanto antes, para não perder o controle e evitar problemas financeiros.

Outra dica é sempre negociar com fornecedores e clientes para ter noção se o seu capital de giro permite a venda ou compra. Com um planejamento detalhado é possível negociar algo que fique bom para sua empresa e para os compradores e vendedores.

Caso necessário faça um empréstimo. Se sua empresa não possui mais capital de giro, uma boa alternativa é o empréstimo, assim, você terá o dinheiro em pouco tempo e poderá equilibrar sua empresa. Mas, tome cuidado, faça tudo com cautela, busque por empresas de crédito que oferecem melhores taxas e condições de pagamento e só faça um empréstimo se tiver garantias futuras de que terá como pagar.

Ter um capital de giro ajudará demais a sua empresa, além de auxiliar em momentos cruciais do seu negócio, traz estabilidade e segurança. Outro fator que o capital de giro influência é no requerimento de um empréstimo. Bancos e empresas de crédito levam em consideração o capital de giro pois ele significa que há uma menor chance de ocorrer inadimplência por parte da empresa.

Assim, é preciso ter em mente que é fundamental para qualquer tipo de negócio ter um capital de giro relativamente alto, isso permite que o seu negócio sobreviva a momentos sazonais e de maior instabilidade.

Gostou do artigo? Então acompanhe nosso blog e se mantenha informado. Conheça também os serviços que o ISF oferecem aqui!

Quero abrir uma loja virtual: o que fazer?

As lojas virtuais vem crescendo cada vez mais. Com o avanço da tecnologia, agora é possível abrir seu próprio negócio e vender seus produtos através da internet, sem precisar de um espaço físico. Isso traz diversas vantagens para seu negócio, como: praticidade, agilidade, menor custo, além de permitir atender um público maior.

Contudo, é preciso conhecer muito bem todo o processo antes de abrir sua loja virtual. Aqui você encontra dicas que vão te auxiliar no que fazer para abrir seu próprio comércio.

O primeiro passo é conhecer o mercado, entender o potencial de venda do seu produto, seu público alvo e o nicho em que pretende competir. Depois de decidir quais produtos serão vendidos e qual área de comércio utilizará, está na hora de colocar tudo em prática. Há muita burocracia em algumas partes do processo, como, por exemplo, a contabilidade, e para isso, é sempre bom contar com especialistas na área.

Modelos e lojas virtuais

Existem dois tipos de lojas virtuais de acordo com a tributação, é possível optar por abrir uma MEI (microempresa individual, que permite um faturamento de cerca de 60.000,00 por ano) ou Simples Nacional (permite um faturamento bem maior, que pode chegar  a R$ 3.600.000,00 por ano). Apesar de não ser obrigatório a presença de CNPJ para vender produtos online, é interessante aderir, assim, sua empresa poderá emitir nota fiscal, estará de acordo com as leis do país e isso transmite segurança e confiança aos seus clientes.

Criando o seu e-commerce –

1- Escolha seu domínio e servidor

Primeiro é preciso garantir o domínio do seu site, ou seja, o endereço / URL, assim, você garante a identificação da sua loja. Outro ponto extremamente importante é a escolha do servidor, que deve ser de boa qualidade e que atenda às suas necessidades. Para isso, procure saber a capacidade de armazenamento do servidor, qual o limite de tráfego, disponibilidade, suporte e preço. Tenha em mente que nem sempre o servidor mais caro será o melhor, é preciso levar em conta todas as funcionalidades do servidor e comparar o custo benefício de cada um antes de tomar uma decisão.

 

eSocial

2 – Crie a plataforma da sua loja

Está na hora de criar seu site, escolha um template que tenha a ver com a sua marca e seus produtos, algo atrativo, que seja de fácil navegação. Existem duas formas de escolher o visual do seu site, é possível utilizar templates prontos ou criar um do zero, cabe a você decidir o que combina mais com o seu negócio. Pense também sobre a funcionalidade do seu site, lembre-se que é importante que a plataforma oferece alguns recursos como dados, relatórios de venda, entre outros.

3 – Formas de pagamento

Essa é uma das partes principais de um e-commerce, procure uma plataforma que já venha equipada com ferramentos de pagamento e que ofereçam diversas formas e pagamento. Cada cliente pagará de um modo, então é possível permitir o pagamento por boleto, por cartão de crédito, à vista ou parcelado, e cartão de débito. Independente do modo, tente sempre manter tudo dentro do seu próprio site, sem redirecionar o pagamento para outro local. Além disso, é importante manter o cadastro daquele cliente, então peça alguns dados para finalização da compra, como: nome, email, telefone, endereço, cpf. Assim, você pode manter contato, enviando promoções e novidade e ao mesmo tempo terá todos os dados caso ocorra algum problema.

4- Antes de lançar o seu e-commerce

Planejamento é a chave do sucesso. Antes do lançamento do site é preciso encontrar bons fornecedores que vendam produtos de qualidade e que entreguem com agilidade. Organize seu estoque, separe os produtos por tamanho, cor, utilidade, assim será mais fácil encontrar, separar e enviar o pedido para o cliente. Outro ponto importante é pensar numa embalagem, muitas vezes esses produtos serão enviados pelo correio, assim, uma possibilidade é criar uma caixa exclusiva com a sua marca, isso irá conquistar o cliente desde o começo, além de proteger o produto e garantir sua qualidade.

Leve em conta no seu planejamento o valor do frete, muitas vezes consumidores desistem de realizar a comprar porque acham o valor do frete muito alto. Por isso, pesquise, faça cotação com transportadoras e com o correio para ter uma noção de preço e ofereça opções de frete ao seu cliente, assim, se ele precisar com urgência poderá optar por aquele que chegará mais rápido, por exemplo.

5 – Preparação

Depois de planejar tudo, criar sua plataforma, está na hora de cadastrar seus produtos. Utilize fotos de boa resolução e que mostre o produto de vários ângulos, apresente a ficha técnica e descrição do produto. Uma boa dica é deixar uma seção de comentários para que outros clientes digam o que acharam do produto.

6 – Hora do lançamento

Depois de todo o processo, organização e planejamento, chegou a tão esperada hora de lançar o site e começar as vendas. Invista em marketing e na divulgação da sua loja, utilize as redes sociais para apresentar a marca e seus produtos, faça promoções, sorteios para que as pessoas conhecem seu e-commerce e você consiga vários clientes.

Não se esqueça de manter contato com o cliente mesmo após a compra e ofereça suporte durante todo o caminho até o recebimento do produto. Assim, você fideliza seus clientes e garante uma relação com eles.

Agora que você já sabe tudo sobre como começar seu e-commerce, está na hora de colocar tudo em prática. Gostou desse artigo? Então acompanhe nossas dicas pelo blog e conheça nossos serviços. Se precisar de crédito, entre em contato com a gente pelo nosso site.

É preciso ter CNPJ para abrir loja virtual?

Ter CNPJ não é necessariamente uma obrigação para criar uma loja virtual. É possível fazer via CPF, principalmente se for via marketplace. Mas ao longo desse artigo, você vai ver a importância do Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) para quem deseja empreender e como estar em dia com a Receita Federal.

Aqui está um dos pontos principais para abertura do CNPJ: muitos clientes fazem questão de receber nota fiscal, especialmente no caso de produtos eletrônicos, pois serve como comprovante de venda e pode ser utilizada para exigir garantia do produto. Imagine só a dor de cabeça, comprar algo e não ter nenhum respaldo do vendedor.

Para operar, uma empresa precisa pagar impostos e cumprir com suas obrigações fiscais. E isso inclui comprar de fornecedores, ou então de outras lojas para revender produtos. E muitas delas também exigem nota fiscal.

Outra vantagem é a possibilidade de receber incentivos financeiros governamentais ou de bancos privados. Algumas dessas instituições oferecem propostas diferenciadas para as empresas, com juros mais baixos e longos prazos de pagamento, o que pode ajudar a expandir o seu negócio.

Abrindo um CNPJ

Você pode solicitar a abertura do CNPJ no site da Receita Federal. Tenha sua documetação em mãos, pois será necessário preencher a Ficha Cadastral da Pessoa Jurídica (FCJP) e montar o Quadro de Sócios e Administradores (QSA), indicando quem fará parte da empresa. No site você será informado sobre todos os documentos necessários. Eles devem ser enviados pelo Correio ou pessoalmente em alguma unidade da Receita ou junta comercial conveniada.

Para quem está sem tempo e prefere fugir da burocracia, a melhor saída é procurar um contador. Claro que isso irá gerar custo, então vale a pena pesquisar antes de escolher o profissional.

MEI – Microempreendedor Individual

Outro meio de obter uma CNPJ é virando um Microempreendedor Individual (MEI). Como o próprio nome sugere, essa é uma opção para quem trabalha por conta própria, sem sócios, e tem um faturamento menor. O limite é de R$ 81.000 por ano, o que dá R$ 6.750,00 por mês.

Neste caso, você só precisa fazer um cadastro no Portal do Empreendedor . Rapidamente, sua loja passa a ter inscrição na Junta Comercial, CNPJ, INSS e permissão de funcionamento.

Lei do e-commerce

Se você deseja abrir uma loja virtual, é essencial estar por dentro da Lei do E-commerce, que está vigente no Brasil. Ela fala sobre diversos pontos de atuação, especificando itens obrigatórios que devem constar no site, relacionamento com o cliente, devolução de compras, entre outros pontos.

Comece agora seu planejamento e conte com o ISF para tirar seu negócio do papel. Faça uma simulação no nosso site e conheça mais dicas aqui no nosso blog!

Por que escolher uma fintech de empréstimo?

Atualmente existem diversas alternativas para os bancos tradicionais, como contas digitais e até mesmo fintechs de empréstimo. Visando acabar com a burocracia, promover mais comodidade, facilidade e agilidade, as instituições financeiras digitais vem ganhando espaço e sendo reconhecidas pelo seu trabalho. Com taxas de juros mais baixas e prazos maiores, pedir empréstimo em uma fintech se tornou algo vantajoso, por isso, neste artigo vamos explicar o por que escolher uma fintech de empréstimo.

O mundo mudou, a tecnologia melhora a cada dia e todos os processos ficam mais modernos, até mesmo os burocráticos como os empréstimos, por exemplo. O que antes só era possível por meio de bancos tradicionais, cheios de burocracias e limitações, agora é simples, rápido e prático por meio das fintechs.

Mas, o que é uma fintech ?

Fintech é um tipo de empresa que utiliza tecnologia a fim de oferecer produtos na área financeira por métodos inovadores, oferecendo uma experiência única e diferenciada para clientes.

Um dos principais objetivos é  otimização dos processos financeiros, assim, por meio da tecnologia, é possível melhorar os processos já existentes, como é o caso do empréstimo. O que antes era demorado e muito burocrático nos bancos tradicionais, nas fintechs se torna algo prático e simples.

Além disso, são empresas virtuais extremamente seguras, certificadas e que oferecem um serviço melhor que bancos. Em suma, seus principais características são: menos burocracia nos processos; uso de alta tecnologia; soluções personalizadas para cada cliente, mais prazo e taxas de juros menores.

Fintechs de empréstImo são seguras?

Assim como qualquer outro negócio é preciso verificar a procedência e ter certeza que a mesma é confiável. Para isso, o primeiro passo é conferir se a fintech possui certificação do Banco Central, já que se encontra no meio financeiro, assim, é possível checar no site do BC se ela está regulamentada e autorizada pelo órgão. Além disso, é possível verificar avaliações de outros clientes nos sites de reclamação e até mesmo nas redes sociais.

É preciso ficar atento às fraudes, não confie em nenhuma empresa que solicite um pagamento antecipado para liberação do crédito e não transfira nenhuma quantia antes de receber seu empréstimo. Lembre-se também que todas essas empresas costumam ter canais de atendimento e suporte online, assim, é possível tirar todas as suas dúvidas sobre o processo.

Pesquise e compare propostas de diferentes fintechs e até mesmo de bancos tradicionais, preste atenção no Custo Efetivo Total (CET) da operação, que inclui, além da taxa de juros, os demais encargos que podem ser cobrados.

Esses são apenas alguns cuidados que devem ser tomados, mas no geral, as fintechs de empréstimo são muito seguras e corretas, seguindo as orientações acima será possível encontrar aquela com as melhores condições para o seu caso.

Quais as vantagens de escolher uma fintech de empréstimo?

As fintechs oferecem diversas vantagens como: facilidade, agilidade na solicitação de crédito e na liberação do dinheiro. A primeira vantagem de se negociar com uma fintech é a facilidade e agilidade do negócio, juros baixos, prazos maiores, empréstimos personalizados para o caso de cada cliente, transparência, entre outros.

Tudo isso é possível porque o procedimento é totalmente on-line e digital, assim, os gastos da empresa são menores, não sendo possível lucrar sobre a transação, isso permite que as taxas sejam justas e baixas.

Além disso, não é preciso se preocupar com burocracia, ao utilizar processos de avaliação sofisticados, como softwares com inteligência artificial, que mapeiam a transação bancária e também traçam um perfil comportamental de cada usuário, o processo todo torna-se mais rápido e prático.

Precisar de um empréstimo é algo natural e necessário, em alguns momentos, para isso, existem diversas possibilidades. No ISF, por exemplo, é possível encontrar empréstimos com as melhores condições e que atendam a sua necessidade.

Agora que você já sabe de todas as suas opções, pesquise tudo no conforto de sua casa, entenda suas possibilidades, conheça nossos serviços clicando aqui e confira mais dicas no nosso blog.

Centro de custos: saiba o que é e como usar na sua empresa

Administrar um negócio em qualquer área, é uma tarefa árdua, que necessita de muito planejamento, calma e conhecimento. Uma das partes mais difíceis é quando chega o momento de tomar decisões difíceis e/ou rápidas, em situações assim a falta de planejamento pode levar a grandes problemas. Adotar um centro de custo, pode ajudar no crescimento da sua empresa, além de auxiliar na preparação e na construção de estratégias. Por isso, ao longo deste artigo você entenderá como utilizar essa ferramenta.

O que é um centro de custos?

Basicamente o centro de custo é uma forma de separar sua empresa em diversos setores ou departamentos, sendo que cada um destes terá sua parcela de responsabilidade operacional, financeira e econômica. Juntos, esses setores representam o negócio como um todo, mas nunca deixam de ter particularidades. Assim, acaba sendo muito eficiente na hora de combinar as despesas e receitas, promovendo um conhecimento maior e uma análise mais precisa sobre a empresa.  

Como utilizar o centro de custos na sua empresa?

O modo de utilizar vai depender do tamanho do seu negócio, uma das principais funções é controlar a entrada e saída de dinheiro, por isso acaba sendo interessante dividir a empresa em setores, independente do tamanho.

Um empreendimento deve ter no mínimo 3 setores: administração, venda e publicidade/marketing. Contudo, você pode escolher o modo que mais combina com o seu negócio. O importante é dividir a empresa em setores para controlar os gastos das respectivas áreas.

Por isso, é necessário analisar seu negócio, determinar quais são os principais departamentos e como funcionará a divisão de capital. Assim, fica mais fácil saber qual o custo e gasto de cada setor, além de ser possível limitar as receitas para cada centro de custo.

Quais são os benefícios do centro de custos?

Utilizar o centro de custos pode trazer diversos benefícios para sua empresa como: facilitar a análise do seu negócio, ao dividir os departamentos é possível conseguir relatórios mais detalhados e específicos, possibilitando uma análise mais precisa e completa de toda a empresa.

Às vezes há dados que não podem ser compartilhados com todos os departamentos, ao separar as áreas é possível avaliar de forma individual o desempenho financeiro de cada seção, facilitando a compreensão da receita e dos gastos de um departamento ou projeto específico, além de permitir que todos esses dados sejam agrupados para uma análise geral, caso seja necessário.

Outro benefício é responsabilidade compartilhada, além de dividir a parte financeira em setores, é possível também separar a responsabilidade pela gestão financeira da mesma. Ao escolher colaboradores que irão assumir essa responsabilidade, é possível encontrar novas soluções para aumentar a receita e controlar os gastos, ou seja, uma visão de fora pode ser muito benéfico para seu negócio.

São diversos benefícios que o centro de custos pode trazer para a sua empresa. Agora que você já sabe o quanto essa ferramenta pode ajudar, que tal colocar em prática? Gostou do nosso artigo? Então confira essas e outras dicas aqui no nosso blog e conheça nossos serviços por aqui!

Como começar um negócio do zero

A procura por mais liberdade, flexibilidade de horários e uma rotina sem precisar responder a nenhum chefe tem levado ao surgimento de novos empreendedores e novos tipos de negócio. Apesar das dificuldades de empreender, as vantagens acabam sendo vantajosas e interessantes para muitas pessoas, fazendo valer a pena o risco. Por isso, é importante pesquisar e entender quais os melhores modos de começar um negócio do zero.

Ter seu próprio negócio não é algo tão fácil ou simples, mas há grandes vantagens que fazem todo o esforço valer a pena, é preciso muito foco, atenção e pesquisa para que tudo dê certo.

O primeiro passo para começar a empreender é decidir qual será a área do seu negócio e ter paixão por aquilo, logo depois é preciso criar um plano de negócios. Assim, é necessário entender a concorrência e o mercado, pesquisar qual o volume de recursos necessários, levando em conta todos os custos da operação, além de determinar seu público alvo, localização, o que venderá, quais serão seus fornecedores, entre outros.

É importante colocar no seu planejamento algumas metas e ações que vão te ajudar a conquistar mais clientes, focar no marketing, produzir conteúdo que chama a atenção de possíveis clientes e que ao mesmo tempo divulgue seu negócio. Além disso, é essencial fazer o planejamento financeiro, analisando qual será seu lucro, seus gastos, entre outros, para, assim, não se perder nas contas e não ter prejuízo.

Depois do planejamento está na hora de colocar em prática e tirar todas as idéias do papel. Ter seu próprio capital para investir no seu negócio é a melhor opção, mas caso isso não seja possível existem diversos modos de conseguir levantar o dinheiro necessário. Empresas de crédito orientado, como o ISF, são uma ótima escolha pois oferecem empréstimos com taxas menores e com maior prazo e não há burocracia, sendo uma opção melhor do que os bancos tradicionais.

Agora é hora de gerenciar seu negócio e levá-lo ao auge, para isso, tenha sempre muita organização, um planejamento financeiro de qualidade, mantenha a qualidade do atendimento e dos produtos, procure sempre fidelizar seus clientes e divulgue seu negócio!

Não tenha medo de se arriscar, o segredo é começar, colocar em prática tudo que aprendeu, dar o seu melhor para fazer com que tudo funcione. Comece agora seu planejamento e conte com o ISF para tirar seu negócio do papel. Faça uma simulação no nosso site e conheça mais dicas aqui no nosso blog!

Qual a melhor opção de empréstimo para o meu perfil?

Atualmente, o processo para adquirir um empréstimo ficou muito mais simples e prático. O surgimento de fintechs, como as de crédito orientado,  possibilitou que as condições do serviço ficassem melhores, sendo possível encontrar aquela que mais combina com o que você precisa no momento, com juros mais baixos, taxas e prazos mais flexíveis.

Pedir empréstimos em bancos tradicionais se tornou algo do passado.  Hoje em dia, já é possível fazer tudo pela internet, de modo seguro, sem burocracia e com condições que cabem no seu bolso.

É preciso saber que existem diversos tipos de empréstimo e cada modalidade muda de acordo com sua necessidade. Por isso, separamos para você as principais opções de empréstimo para te ajudar a escolher aquele que mais combina com o seu perfil.

Empréstimo empresarial –

Esse tipo de empréstimo é ideal para quem quer abrir seu próprio negócio e para quem já possui uma empresa. É possível utilizar o empréstimo para melhorar seu negócio ou para adquirir capital de giro (dinheiro utilizado para manter o funcionamento da empresa, como pagamento de salários, manutenção do imóvel, energia elétrica, entre outros).

Assim, antes de solicitar um empréstimo é importante saber qual sua principal necessidade, por exemplo, aumentar seu espaço com uma reforma, adquirir estoque, conseguir capital de giro, entre outros. Depois de delimitar isso, está na hora de pesquisar qual empresa de crédito orientado oferece as melhores condições.

Entenda qual o valor do empréstimo necessário, procure por taxas e juros mais baixos e também onde há menos burocracia, assim, você será poupado de um possível stress.

Escolha a linha de crédito certa de acordo com o tamanho do seu negócio. Tire todas as dúvidas e analise bem as propostas e as suas finanças antes de realizar a solicitação.

Empréstimo pessoal –

Sabemos que as vezes é normal que as contas se desestabilizem e que a situação financeira fique complicada. Nesses momentos, um empréstimo pode te ajudar a quitar dívidas, investir em algo ou até mesmo refinanciar algum bem.

Assim, uma boa opção é o empréstimo orientado já que nesse tipo de serviço as taxas de juros são menores e o prazo de pagamento é maior que no empréstimo do banco convencional. Além disso, algumas empresas de crédito orientado, como o ISF, oferecem um diagnóstico financeiro, com ele é possível entender qual o melhor tipo de empréstimo para sua situação.

Empréstimo com garantia –

Uma das melhores opções de empréstimo, tanto pessoal quanto empresarial, é aquele com garantia de imóvel ou veículo. Muitas empresas de crédito orientado oferecem essa opção e tudo pode ser feito online, sem burocracia e, o melhor: normalmente o crédito é liberado rapidamente.

Resumidamente o empréstimo com garantia envolve utilizar um imóvel (residencial ou comercial) ou um veículo quitado como garantia no processo de empréstimo.

Ou seja, existem diversas possibilidade de empréstimo de acordo com cada necessidade. Primeiro, avalie qual o seu perfil, se você necessita de um empréstimo empresarial ou pessoal, depois faça uma simulação e um diagnóstico financeiro e com a ajuda da sua empresa de crédito orientado escolha aquele que mais combina com você e que cabe no seu bolso!

O ISF faz diagnósticos gratuitos e todo o nosso processo ocorre online, assim, não há demora, nem burocracia e tudo fica mais claro para nossos clientes. Faça uma simulação de empréstimo e conte conosco!

Os melhores investimentos para 2019

Investimento 2019
(Foto: banco de dados)

Se você deseja atingir metas financeiras em 2019, o primeiro passo é saber onde investir. A economia no Brasil passará por algumas mudanças neste ano, principalmente com o novo governo.

Sabemos que o mercado financeiro pode ser complexo, mas a previsão é que 2019 seja um pouco diferente. Se você quer cuidar do seu capital, mas está em dúvidas, pesquise e veja as nossas dicas para passar o ano fazendo investimentos positivos.

RENDA FIXA

Neste ano, ainda há espaço para investimentos de renda fixa, mas é preciso ter cuidado. A taxa básica de juros, Selic, está no menor patamar da história: 6,5% ao ano. Ou seja, aplicações de renda fixa que pagam um percentual da Selic não estão compensando muito para os investidores. Neste caso, procure investimentos de renda fixa menos tradicionais e que sejam mais atrativos para 2019.

CRI E CRA

Se você possui capital para fazer um investimento com uma rentabilidade mais alta, os CRIs (Certificados de Recebíveis Imobiliários) e CRAs (Certificados de Recebíveis Agrícolas) podem ser boas opções. Ambos são investimentos que devem ser feitos a longo prazo e carregam créditos imobiliários ou agrícolas.

TESOURO DIRETO

Uma das melhores opções para quem busca segurança nos investimentos é o Tesouro Direto. Independentemente do cenário econômico, este é um investimento de boa liquidez e você não correrá riscos. Vale a pena investir sua reserva, visto que, mesmo que a taxa básica de juros suba, você conseguirá bons resultados ao longo do ano.

FUNDOS IMOBILIÁRIOS

O mercado imobiliário está se recuperando, e mesmo que seja lento, vale investir em 2019 se o seu objetivo não é lucrar instantaneamente.

Imóveis trazem um retorno em um prazo um pouco mais longo, mas existem muitas vantagens. O cenário está favorável para quem já possui imóveis e para quem está de olho na valorização, só não espere muito tempo.

Melhores investimentos para 2019
(Fotos: banco de dados)

AÇÕES

Se você procura por um investimento a longo prazo, a bolsa é a melhor opção. A taxa de juros está no menor patamar histórico, e isso é um bom sinal. Varejo, energia e infraestrutura são alguns setores para ficar de olho neste início de ano.

PESQUISE

Antes de decidir qual investimento se encaixa melhor nos seus objetivos, dê uma olhada nas tendências da economia do país, afinal, seu dinheiro só renderá depois de uma boa escolha.

Neste ano, a economia pode se recuperar, e, com isso, a inflação e a taxa de desemprego podem cair. Use nossas dicas e descubra qual o seu perfil de investidor para 2019.

Dicas infalíveis para um planejamento estratégico 5 estrelas

Não importa o tamanho da sua empresa, fazer um planejamento estratégico é essencial para  desenvolver ações, alcançar metas e proporcionar uma boa integração entre os clientes e colaboradores.

Aprender a gerenciar uma empresa de forma correta é um diferencial competitivo no mercado. Sem um planejamento estratégico é impossível corrigir erros e focar no que realmente é necessário.

Veja algumas dicas para fazer um planejamento 5 estrelas para a sua empresa:

1 – FAÇA UMA ANÁLISE

O primeiro passo para um planejamento estratégico é a coleta de informações. Nesta etapa, reúna suas planilhas e arquivos para levantar dados importantes. Determine o período que deseja analisar, um ano já é ideal para notar diferenças.

Comece por suas vendas, quanto você vendeu no último ano? Quais seus produtos ou serviços mais procurados e vendidos? E quais são os mais rentáveis para a sua empresa?

Depois, pense nos seus clientes, quantos você conquistou ou perdeu nos últimos meses? Dê atenção também para os seus consumidores mais rentáveis e não deixe de observar como o dólar e os juros interferiram no seu negócio nesses últimos 12 meses.

2 – DEFINA UMA IDENTIDADE ORGANIZACIONAL

A identidade organizacional de uma empresa é separada em: Missão, Visão e Valores. Essas três definições também são de extrema importância para a elaboração de um planejamento estratégico e são essenciais em momentos de tomadas de decisões.
DEFINA –

Missão: por que a sua empresa existe?
Visão: onde você quer chegar com a sua empresa?
Valores: quais são os princípios do seu negócio?

3 – TRACE METAS

Estabeleça metas e defina um prazo para alcançar cada uma delas. Pense em objetivos mensuráveis e atingíveis para evitar frustrações para seus colaboradores e gestores.

Veja alguns exemplos:

  • aumentar as vendas de um determinado produto em 6 meses.
  • captar um número específico de clientes até o fim do ano.
  • aumentar o alcance da marca nas redes sociais.

4 – USE OS RECURSOS NECESSÁRIOS

Nesta etapa é importante ter um dinheiro reservado para novos investimentos. Se necessário, faça um empréstimo para conseguir redirecionar os recursos tranquilamente. Em pouco tempo, os resultados serão positivos.

  • Coloque sua equipe em primeiro lugar

Para começar, se pergunte: os seus colaboradores precisam de treinamento? Capacitação é algo essencial, independente do nicho em que sua empresa está, você precisa ter pessoas preparadas ao seu lado.

  • Invista no ambiente de trabalho

Promova conforto e ofereça bons computadores para os seus colaboradores, principalmente se o expediente for em um escritório. Qualquer empresa precisa oferecer bons requisitos para os funcionários exercerem as funções que lhe são pré-estabelecidas.

  • Invista em marketing

Contrate uma empresa especializada ou invista em um profissional capacitado para a sua empresa.

5 – COLOQUE EM PRÁTICA

Reúna seus colaboradores e apresente o novo  planejamento estratégico da empresa, e não deixe de traçar metas individuais com cada equipe. Quando começar a executar seu planejamento, monitore-o continuamente. Dê feedback para seus colaboradores e revise suas metas mensalmente.

Algumas vezes, os objetivos podem sair fora do que foi planejado, mas mudanças são comuns, e com uma equipe preparada, você conseguirá lidar com as mudanças.

Planejar não é fácil, mas quando os resultados surgirem, você verá que o trabalho valeu a pena. Que tal usar nossas dicas e começar o planejamento estratégico da sua empresa para esse ano?