MEI e Simples Nacional: quais são os impostos?

Se uma das suas metas para 2018 é tirar seu negócio do papel e se tornar o seu próprio chefe, o ISF te ajuda com uma das questões que envolvem a abertura de uma empresa: os impostos.

Impostos MEI
(Foto: banco de imagens)

Atualmente, no Brasil, existem 93 tributos entre impostos, contribuições, taxas e contribuições de melhoria, e uma parte destes é direcionada aos empresários. Entretanto, desde 2007, donos de micro e pequenas empresas têm algumas facilidades nesse quesito, trata-se do Simples Nacional e do Micro Empreendedor Individual (MEI).

– Simples Nacional: é o regime tributário direcionado à micro e pequenas empresas que tenham um faturamento máximo de R$ 4,8 milhões por ano. Ao optar por esse sistema, o empresário passa a recolher todos os tributos de uma vez só, a partir do Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS), cujo valor é calculado por um sistema disponível no site do Simples Nacional.

Imposto simples nacional
(Foto: banco de imagens)

Um empreendedor no Simples Nacional faz o recolhimento dos seguintes impostos:

-Imposto sobre a Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ)

-Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI)

-Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL)

-Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins)

-Contribuição para o PIS/Pasep

-Contribuição Patronal Previdenciária (CPP)

-Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e Sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS)

-Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS).

Um ponto importante é que, a partir do começo de 2018, entretanto, o governo federal estabeleceu que quando o faturamento da empresa exceder R$ 3.6 milhões ao ano (limite do Simples até 2017), impostos como ICMS e o ISS serão cobrados de forma separada.

Impostos para MEI e simples nacional
(Foto: banco de imagens)

-Micro empreendedor individual (MEI): como o próprio nome diz, o MEI é direcionado à empreendedores individuais, assim, para se encaixar nesse regime não é possível que a empresa tenha sócios ou que o empreendedor seja sócio de outra empresa. Além disso, é exigido que o negócio em questão tenha um faturamento anual de, no máximo, R$ 81mil.

Um dos principais benefícios do MEI é a isenção do pagamento de impostos federais, como PIS e IPI. Assim, é cobrado do empreendedor apenas:

-INSS

-ICMS

– ISS

Entretanto, caso  o empreendedor contrate funcionários, ele terá que pagar outros impostos.

Estes são algumas das cobranças que vão te acompanhar mensalmente. Entretanto, também é preciso ficar atento aos gastos diretamente relacionadas à abertura de uma empresa, seja ela pelo regime do Simples ou pelo MEI, como registro de marca, compra de instrumentos importantes para o seu negócio e até arcar com um espaço para colocar tudo em prática.

Nestes gastos, o ISF também pode te ajudar. Reúna suas despesas, acesse nossa plataforma e faça uma simulação. Em caso de dúvidas, entre em contato por meio dos nossos canais de atendimento.

Dicas infalíveis para sua empresa crescer corretamente

Um novo ano está começando e esta pode ser a oportunidade perfeita para você dar um novo passo com a sua empresa: CRESCER. Para alguns, essa palavra pode vir acompanhada de receio e um pé atrás, mas para um empreendedor, crescer significa inovar, expandir e melhorar.

Plano de crescimento
(Foto: banco de imagem)

O momento para crescer é um dos fatores mais importantes quando se pensa em expandir seu negócio. Geralmente, quando uma empresa vai bem, seu crescimento é espontâneo e o empresário percebe a demanda de necessidades como aumentar o número de funcionários, comprar mais máquinas, aumentar a produção ou expandir a estrutura de atendimento. Mas, como realizar tudo isso? Um Plano de crescimento pode te ajudar a organizar seus pensamentos para que seu negócio avance com responsabilidade e consciência.

Um Plano de Crescimento é como um raio-x da sua empresa, para fazê-lo você vai precisar analisar todos os elementos que compõem seu negócio:

– os financeiros, como lucro e despesas;

– os não financeiros, como funcionários, estrutura e sistemas.

Plano de crescimento
(Foto: banco de imagem)

Assim, você entenderá em qual ponto é necessário investir mais para crescer.

Outro item que merece atenção é o cenário externo, o mercado no qual sua empresa está inserida. Analisando-o as oportunidades e ameaças você consegue, por exemplo:

– traçar um futuro e saber qual caminho seu empreendimento vai percorrer;

– entender as mudanças e tendências de seu ramo de atuação,

– conhecer, também, seus concorrentes.

É importante lembrar que este é um documento idealizado para consulta interna e externa, ou seja, seu plano de crescimento é a esquematização de suas ideias, fonte de orientação para você e seus funcionário, além disso é com ele em mãos que você pode ir em busca de investimentos e espaço no mercado financeiro.

Plano de crescimento
(Foto: banco de imagem)

Neste contexto, também é importante se atentar a um fator crucial para crescer: os recursos, afinal tudo tem um custo e existem muitas opções no mercado para obter dinheiro. Após analisar o valor do investimento, caso você constate que precisa de crédito, o ISF Crédito te ajuda.

Podemos ser seu guia financeiro, nesse sentido não trabalhamos para o banco, somos parceiros deles e buscamos fazer a diferença com o cliente, direcionando-o para a opção que melhor se encaixa para sua realidade.

Esquematize todos os custos que a expansão da sua empresa vai requerer, acesse nossa plataforma e faça uma simulação. Em caso de dúvidas, entre em contato por meio dos nossos canais de atendimento.

Com tudo isso, o seu plano de Crescimento já começa a tomar forma. Entretanto, é preciso entender que ele não é um manual no qual sua empresa deve ficar estritamente presa ou que uma vez feito não pode ser alterado. O mercado é muito dinâmico e uma oportunidade que não estava no planejamento pode aparecer e ser favorável para seu negócio, por exemplo.

O plano de crescimento é um norte que te dá uma base para inovar, mudar e crescer. Bons negócios!

O que é e como fazer um fluxo de caixa

Administrar um negócio, seja ele pequeno, grande, no começo ou já bem estabelecido, não é fácil e muitas vezes o maior problema está em lidar com as finanças. Entretanto, a solução pode ser simples: começar pela confecção de um fluxo de caixa.

Com o fluxo de caixa você organiza todos as receitas e despesas de sua empresa em uma só planilha. Sim, aquela velha, mas importante, dica de economista: anote seus gastos e controle suas finanças.

Como fazer o fluxo de caixa
(Foto: banco de imagem)

Anotar tudo pode parecer algo muito simples, mas na prática isso não é feito como deveria, e é capaz de trazer um efeito muito positivo para o seu negócio. A partir da planilha de fluxo de caixa, você consegue:

  • ter uma noção real de quanto você gasta em cada setor da sua empresa;
  • planejar os próximos meses de operação;
  • lidar com possíveis dívidas;
  • entender como está a evolução das vendas de sua empresa;
  • saber no que deve investir para crescer;
  • saber se precisa de um empréstimo;
  • identificar possibilidades de novos tipos de venda, por exemplo, promoção;

    Planilha fluxo de caixa
    (Foto: banco de imagens)

Enfim, o fluxo de caixa te dá um raio-x das finanças do seu negócio. Para fazer essa planilha existem algumas ferramentas, das mais simples até as mais complexas, mas para te ajudar a começar esse planejamento disponibilizamos um modelo de fluxo de caixa através do link abaixo:

CLIQUE AQUI PARA BAIXAR A PLANILHA GRATUITA

Quando você abrir a planilha vai perceber que seu preenchimento é bem fácil:

  1. Comece pelas entradas de dinheiro, anote os resultados das vendas, sejam à vista ou à prazo, e de outros recebimentos.
  2. Em seguida considere as saídas de dinheiro, de todas as formas que ela ocorra, desde pagamentos dos funcionários e fornecedores até contas de internet e telefone.
  3. Com os valores finais é hora de calcular o resultado de caixa, assim subtraia as saídas das entradas.
  4. Para saber qual o seu caixa final, some o resultado do item acima com a quantia que você já tinha em mãos do período anterior.

Se você perceber que o seu negócio precisa de ajuda, o ISF te auxilia como seu guia financeiro, encontrando a melhor solução de crédito para capital de giro e investimentos em sua empresa.  Acesse nossa plataforma e faça uma simulação: www.isfcredito.com.br. Em caso de dúvidas, entre em contato com nossos canais de atendimento.

As 5 dicas que você precisa para ser um empreendedor de ALTO IMPACTO

Empreender é mais do que simplesmente abrir um novo negócio. Ser empreendedor significa querer sair um pouco do padrão, procurar inovar e ir em busca de crescimento para si e as pessoas ao redor.

Empreendedor de alto impacto
(Foto: banco de imagens)

Sabemos que não é fácil ser tudo isso, mas só com um ponta pé inicial é possível fazer a transformação que um empreendedor de alto impacto produz. Então trazemos para você 5 dicas que vão te levar ao caminho do empreendimento de alto impacto:

  1. Comece com o que você conhece: dê atenção aos seus talentos, aquilo que você faz como hobbie pode virar um negócio lucrativo. Se você quer começar um negócio, comece pelo que você conhece e sabe fazer, não precisa ser nada muito mirabolante, mas se você faz bem, já é um passo importante.
  2. Comece pequeno, mas sonhe grande: é impossível começar algo novo já com sucesso garantido, algumas das maiores empresas do mundo nasceram em garagens ou até dormitórios de Universidades. O importante é ter objetivos, sonhar alto te incentiva a continuar, mesmo com dificuldades.

    Como ser um bom empreendedor
    (Foto: banco de imagens)
  3. Não se prenda ao plano de negócio: Ter uma organização, um plano de ação para os negócios é importante, mas não se prenda completamente a ele, pois isso pode te impedir de inovar e correr riscos que, na maioria das vezes, são necessários para se tornar um empreendimento de alto impacto.
  4. Procure investimentos e ganhe conselhos: é muito difícil fazer tudo sozinho, então não hesite em pedir ajuda, ouvir conselhos de pessoas experientes no ramo pode te auxiliar a evitar problemas, por exemplo. Essa ajuda também inclui as finanças, procure investidores, pessoas dispostas a te apoiar nesse desafio.
  5. A experiência te leva mais longe: não estamos falando de experiência de anos, mas um pequeno começo, entender sobre seu ramo de negócio é um bom exemplo. Basicamente, “empreendedores sempre precisam de experiência prévia, mas não muita a ponto de fazê-los evitar riscos e deixarem de ser flexíveis”.

Além de todas essas dicas, o ISF pode te ajudar como seu guia financeiro, auxiliando a encontrar a melhor solução de crédito para capital de giro e investimentos em sua empresa,  entre em nossa plataforma e faça uma simulação. Em caso de dúvidas, entre em contato com nossos canais de atendimento.

*Baseadas em conteúdo da Endeavor Brasil.

Essas dicas vão te ajudar a tirar seu negócio do papel

Se você está entre os 66%* dos brasileiros que querem abrir o próprio negócio para ter mais liberdade e autonomia, mas não sabe por onde começar, nós te ajudamos a tirar seu negócio do papel.

Colocar seu negócio em prática
(foto: banco de imagens)
  1. Decida qual negócio você vai abrir: essa definitivamente é a primeira coisa que você tem que fazer, então pense em mercados que você gosta e, principalmente, que tenha alguma proximidade ou identificação;
  2. Pesquise, entenda, estude: Se você vai começar um negócio precisa entender e conhecer o ramo no qual vai se inserir, então não poupe tempo adquirindo conhecimento sobre ele, faça cursos, converse com outras pessoas do meio ou leia sobre o assunto.
  3. Faça orçamentos: com toda a teoria definida, vamos em busca da prática. Então comece a orçar o que é necessário para abrir as portas do seu negócio, desde o quadrinho da parede até os equipamentos imprescindíveis
  4. Levante o dinheiro: com todos os orçamentos em mãos é hora de levantar o dinheiro necessário para tirar as compras do papel. Atualmente a melhor opção em termos de crédito tem sido o empréstimo com garantia, a gente já falou sobre ele aqui no blog, mas de forma resumida: no empréstimo com garantia você utiliza um bem, seja um imóvel ou um veículo, como garantia para obter seu crédito e a vantagem é que você tem juros menores e um prazo maior para pagar.

    Juntar dinheiro
    (Foto: banco de imagens)
  5. Coloque em prática com inteligência administrativa: agora que tudo já saiu do papel é hora de colocar em prática todo o conhecimento que você adquiriu lá no passo 2 e mais, não “trocar os pés pelas mãos”, é preciso ter inteligência administrativa, não deixar as contas de lado e entender que tudo leva um tempo para dar certo, mas se você chegou até aqui, está no caminho certo.

Sabemos que tirar um sonho do papel não é fácil e talvez o fator dinheiro seja um dos maiores empecilhos, na verdade a falta de capital é o que impede 49%* das pessoas que querem abrir seu próprio negócio a fazê-lo. Então, se esse for o seu problema, se você precisa de crédito para colocar seus planos em prática ou para manter ele funcionando com capital de giro necessário, o ISF Crédito te auxilia ajudando a encontrar a melhor solução para você. Acesse nossa plataforma e faça uma simulação.

*Fonte dos dados

Os 4 principais erros na hora de pedir empréstimo

Pedir um empréstimo pode ser a solução de diversos problemas, mas também pode ser a porta de entrada para muitos outros. Por isso, trazemos para você os 4 principais erros cometidos na hora de pedir um empréstimo, vamos à lista:

  1. Pedir um empréstimo por impulso: o primeiro passo antes de pedir um empréstimo é ter certeza que você realmente precisa dele, então faça as contas de suas finanças, coloque tudo no papel e analise-as, isso também vai ajudar em passos futuros.

    Erros ao pedir empréstimo
    (Foto: banco de imagem)
  2. Consultar apenas seu gerente do banco: pode parecer óbvio, mas muitas vezes esquecemos disso: o seu gerente trabalha para o banco e, embora, possa querer te ajudar talvez exista opções melhores do que as que ele te indique, isso nos leva ao terceiro passo …
  3. Não pesquisar: assim como você faz antes de comprar um fogão, uma geladeira e até um carro, na hora de pedir um empréstimo, você precisa pesquisar as melhores opções de taxas e prazos para você.
  4. Fechar contrato na pressa: quando você encontrar a sua melhor opção, não tenha pressa para assinar o contrato. Lembra daquelas contas que você fez no começo? Revise-as e verifique, principalmente, se a parcela final não comprometerá uma parte muito grande da sua renda mensal. Outro fator importante é a leitura do contrato, nunca mesmo, assine um contrato sem ler os mínimos detalhes dele, ok!?

Agora sim, com esses pontos na cabeça as chances de você acertar na hora de pedir um empréstimo são bem maiores, mas se ainda assim você precisar, o ISF te ajuda.

Como pedir um empréstimo
(Foto: banco de imagem)

Nós somos um guia financeiro, assim direcionamos cada cliente para o parceiro que seja melhor para ele. Não trabalhamos para o banco, somos parceiros de todos eles e buscamos fazer a diferença para você.

Acesse nossa plataforma e em caso de dúvidas entre em contato com nossos canais de atendimento.

6 passos para cuidar da sua vida financeira

Se você está com problemas de saúde, geralmente é assim que funciona: você procura um especialista, ele faz um diagnóstico e então começa um tratamento. Mas e se o problema é com a sua vida financeira? Ter um diagnóstico também não ajudaria?

Vida Financeira
(Foto: banco de imagem)

Pois bem, ter uma visão geral da sua vida econômica é o ideal para conhecer seus gastos e equilibrar sua vida financeira. Então, o primeiro passo é fazer um diagnóstico da situação, seja sua ou da sua empresa. Você pode começar seguindo alguns pontos:

  1. Coloque tudo no papel: liste todos os seus gastos, inclusive aqueles pequenos, do dia a dia, que você acha que não farão diferença no final do mês.
  2. Compare seus gastos à sua renda mensal: planeje de acordo com o que você ganha, lembrando que suas dívidas extras (além das contas fixas mensais, como água, luz e telefone) não devem comprometer mais do que 30% do seu orçamento.
  3. Evite comprar coisas das quais não precisa: tente fazer compras inteligentes e de forma não impulsiva.
  4. Invista: com o dinheiro poupado pelo passo anterior, faça investimentos ou abra uma poupança, por exemplo.
  5. Faça disso sua rotina: integre esses passos à sua vida cotidiana, assim a saúde das suas finanças permanecerá em boas condições e esta será uma preocupação a menos.
Planejamento financeiro
(foto: banco de imagens)

Mas você pode estar pensando, no papel isso é muito simples, só que na prática não é fácil chegar a um diagnóstico e um tratamento com facilidade. Nós entendemos e é por isso que trazemos aqui o 6º e último passo deste guia, o ISF disponibiliza um diagnóstico gratuito do seu momento financeiro atual, para que você possa entender melhor a sua realidade financeira e consiga encontrar no mercado as melhores opções de crédito ou investimento.

No caso de pessoa física, o diagnóstico gera um perfil, identificando se suas finanças estão equilibradas ou se você precisa de ajuda. Para a pessoa jurídica, a plataforma gera um Demonstrativo de Resultados (DRE), pode entender o momento do negócio e o fluxo de caixa, por exemplo, a partir disso identificamos se existe um problema e a solução para ele.

O diagnóstico financeiro é gratuito e online, acesse a plataforma do ISF e faça o seu.

Assista o que nosso sócio e co-fundador, Renan Würfel, diz sobre o Diagnóstico Financeiro:

Como pedir empréstimo com juros mais baixos e prazos maiores

Empréstimo para pagar dívidas com parcelas menores, abrir um negócio, viajar, levantar capital de giro para a sua empresa ou até fazer investimentos. Se você está precisando de dinheiro, uma de suas melhores opções no mercado é o empréstimo com garantia,  uma modalidade que, no nosso cenário econômico atual, é mais simplificada e mais fácil do banco aprovar.

(Foto: banco de imagem)

Nesse tipo de transação, você utiliza um imóvel ou um veículo como garantia para que o recurso que precisa seja levantado. O processo funciona assim:

  1. Análise de crédito: nessa fase é conhecido o limite de crédito que você pode obter;
  2. Análise do valor do bem: neste segundo passo, o imóvel ou veículo que você deseja disponibilizar como garantia é analisado para verificar se, a partir dele, é possível levantar a quantia que deseja. Para que o processo dê certo, é preciso que o limite de crédito da pessoa seja 50% do valor do bem, então por exemplo, se sua análise de crédito mostrou que seu limite é de R$100mil, o seu bem deve ter um valor mínimo de R$200mil.
  3. Avaliação jurídica: aqui o seu bem passa por uma avaliação para que seja comprovada a propriedade, assim, são analisadas certidões e outros documentos.
  4. Contratação: se todas as fases forem concluídas com sucesso, basta assinar o contrato.
Empréstimo com garantia
(Foto: banco de imagem)

O empréstimo com garantia é relativamente novo no Brasil, sendo oferecido no país há menos de 10 anos, mas seus benefícios certamente são expressivos. Esta é uma solução financeira com um prazo maior para o pagamento, se comparado com outras opções – com veículo o prazo é de até 48x e com imóvel até 180x, por exemplo, além disso, como existe um bem em garantia, o custo financeiro é reduzido perto do oferecido pelo empréstimo sem garantia, tendo uma taxa inicial a partir de 1.14% ao mês para imóvel e de 1.75% para veículo.

Se você for um empresário, essa modalidade financeira também pode te ajudar. Nesse caso é uma vantagem fazer o empréstimo com garantia na pessoa física, pois você consegue colocar o dinheiro na empresa, desonerando o endividamento dela.

Já falamos do processo e dos benefícios do empréstimo com garantia, para fazer um simulação e saber quais as condições no seu caso, faça uma simulação gratuita no site do ISF Crédito Orientado.